terça-feira, 31 de março de 2015

A REPÚBLICA BRASILEIRA TEM UMA HISTÓRIA DE AUTORITARISMO E RUPTURAS INSTITUCIONAIS.

A redemocratização completa 30 anos em 2015, pois Tancredo Neves foi eleito (indiretamente) em 1985 como presidente civil depois de 21 anos de Ditadura Militar. Três décadas são um período muito curto da perspectiva histórica. Muito curto mesmo! Nossa Constituição completará 27 anos em 5 de outubro próximo. A chamada Nova República continua ainda muito nova.
Nossa história republicana tem sido mais autoritária que democrática, e mais caracterizada pela ruptura do que pela estabilidade. 
Houve de tudo: renúncia, suicídio, golpe de Estado, impeachment, ditadura.
Deodoro da Fonseca (1889-1891), o primeiro, tentou dar um golpe e renunciou.
Floriano Peixoto (1891-1894) assumiu a presidência devidamente, mas nela permaneceu sem legitimidade constitucional, porque o vice-presidente, naquela época, deveria convocar novas eleições. Ele enfrentou as duas Revoltas da Armada e a Revolução Federalista.
O primeiro presidente civil, Prudente de Morais (1894-1898), foi logo enfrentando a Guerra de Canudos. Chegou a sofrer um atentado.
Entre 1898 e 1930 houve alguma estabilidade política, mas à custa das instituições e de uma democracia plena, por causa das fraudes eleitorais e da "política dos governadores", inaugurada por Campos Sales (1898-1902), que deu ensejo à chamada "República do Café com Leite".
Em 1930 estourou a Revolução comandada por Getúlio Vargas e sua Aliança Liberal. A partir de 1934 ele governou como presidente eleito pela Assembleia Constituinte, mas em 10 de novembro de 1937 deu o golpe do Estado Novo, implantando uma ditadura altamente repressora e violenta.
Em 1945 Getúlio Vargas foi deposto por meio de um golpe liderado por seu Ministro da Guerra, Eurico Gaspar Dutra, que seria eleito para o mandato de 1946 a 1950.
Eleito para o mandato de 1951 a 1955, Getúlio suicidou-se em 24 de agosto de 1954 para permitir uma reação do seu grupo aos adversários políticos.
Tendo assumido o vice João Café Filho em 1954, afastou-se da presidência em 8 de novembro de 1955 por suposta doença cardíaca. Assumiu, conforme a Constituição, o Presidente da Câmara, Carlos Luz. Este, porém, permaneceu na presidência somente por 3 dias, vindo a sofrer o impeachment em 11 de novembro, a partir de um "golpe preventivo" liderado pelo Marechal Henrique Teixeira Lott, um legalista, a fim de permitir a posse de Juscelino Kubitschek, presidente eleito.
Café Filho, supostamente recuperado, quis voltar, mas sofreu impedimento também (!).
Juscelino (1956-1961) governou normalmente, mas antes houve a mencionada suspeita de que ele não viria a ser empossado.
Jânio Quadros (1961) renunciou após 7 meses de governo e até hoje não se sabe exatamente o que se passava por sua cabeça.
João Goulart (1961-1964), o vice, que também tinha sido vice de Juscelino, quase não assumiu o cargo, e para assumir teve de suportar um parlamentarismo improvisado, cujo primeiro-ministro seria o jovem Tancredo Neves (houve mais tarde outros dois).
Com a volta do presidencialismo, João Goulart retomou os plenos poderes, mas seu governo conturbado e fraco, assediado por comunistas e incendiado pelo cunhado Leonel Brizola, acabou em 31 de março de 1964, com o golpe militar.
Entre 1964 e 1985 houve mais essa Ditadura, que, não custa lembrar, não foi a primeira em nosso país. Os ainda getulistas e grande parte da esquerda gostam de esquecer que o Estado Novo foi uma ditadura. E que entre 1930 e 1934 o regime havia sido discricionário. Contra isso lutaram os paulistas na Revolução Constitucionalista de 1932.
Tancredo tomaria posse em 1985, mas morreu. Em seu lugar, assumiu o vice, José Sarney, egresso do PDS, que tinha sido justamente a ARENA, o partido sustentador do Regime Militar.
O governo Sarney (1985-1990) foi um fiasco.
Fernando Collor (1990-1992), eleito diretamente, sofreu legítimo processo de impeachment. Saiu definitivamente em dezembro de 1992. Esse foi formalmente o terceiro impedimento de um presidente da República. Antes houve os de Carlos Luz e Café Filho!
Itamar Franco (1992-1994), Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e Luiz Inácio da Silva (2003-2010) governaram sem aqueles fantasmas e esqueletos de nossa República.
Agora a inapta Dilma Rousseff (2011-) pode sofrer um impeachment ou renunciar, o que seria, creio eu, necessário, correto e justo. O Brasil sempre acha uma solução, nem sempre a melhor. Mas creio que sairemos bem dessa situação, dentro dos processos democráticos e republicanos. A permanência do PT no poder é que tem conspurcado a nossa República por meio de um assalto sistemático ao erário.
Temos muito a aprender ainda em termos de democracia e vida republicana. A história nos diz isso.

domingo, 1 de março de 2015

Um sonho de terror

Sonhei que acordava de repente num país estranho, em que tudo parecia estar ao contrário. Por estar sem os documentos pessoais e não saber direito o que fazia ali, acabei sendo preso, mas sem direito a advogado ou telefonema.
Vi que aquele país era governado por uma mulher de cabeça gigante, que falava numa língua que ninguém entendia e tinha sido criada por um velho barbudo e sabichão. Quem mandava mesmo era o velho barbudo, chefe de uma gangue vestida de vermelho e que habitava o subterrâneo.
Soube que no início pessoas inteligentes aceitaram bem aquela dupla, porque acreditavam numa coisa chamada "democracia", e em outra chamada "república". Mas o velho barbudo e a mulher cabeçuda deram um golpe e passaram a governar à base de leis imperiais, exército vermelho e linguagem mágica. Os que viviam de maneira nababesca sustentavam tudo, com o apoio maciço dos miseráveis esfaimados.
Quando menos se percebeu, o velho barbudo e a cabeçuda já dominavam todas as coisas. 
Até que um dia, enquanto eu estava lá, o velho matou a cabeçuda e comeu sua carne. As leis imperiais ainda persistiam, mas o exército vermelho se dividiu, e a linguagem mágica perdeu efeito. Foi um caso curioso em que o criador matou a criatura.
A comida, então, desapareceu do prato dos miseráveis esfaimados, e os que viviam de maneira nababesca se voltaram contra o velho sabichão. Este foi encurralado num castelo e lá apodreceu até ser esquecido para sempre. O povo escolheu um novo governante, que aboliu as leis imperiais e instituiu novamente a república e a democracia, convocando o parlamento.
Os de vida opulenta dividiram-se, com saudade das benesses patrocinadas pelo velho barbudo e sua cabeçuda criatura, mas tinham vontade de explorar agora o novo governante. Os miseráveis continuavam a esperar um messias. Mas a classe que trabalhava e estudava voltou a ter confiança em seu próprio destino.
Foi assim que acordei, um pouco tenso depois de tanta emoção, mas com esperança de que pesadelos podem ser esquecidos para sempre. 


Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.