segunda-feira, 19 de outubro de 2009

A injustiça social na Casa de Deus - apenas um exemplo

Ninguém me faz acreditar que seja correto uma congregação ter que enviar para a sua sede 80% (oitenta por cento) do que arrecada com suas ofertas e dízimos. Entendo que, se se trata de uma comunidade eclesiástica, o dinheiro deve ser empregado na satisfação de suas necessidades e na execução de seus projetos. Uma parte da arrecadação seria repassada à sede e eventualmente as congregações maiores ou mais abastadas ajudariam as congregações menores, tudo sob a administração da sede, segundo as carências verificadas.
Por isso, sou contrário às campanhas que inventam ofertas extraordinárias, a não ser quando se trata de despesas extraordinárias. E há que se ponderar sobre o que sejam essas despesas extraordinárias! Por exemplo, não concordo com a construção de templos enormes, suntuosos, quando sua construção demanda um esforço financeiro que está muito além do poder econômico da igreja e suas congregações.
Alguém dirá: “Irmão, mas a igreja é grande”. Sim, se a igreja é grande e precisa de um templo grande, ela poderá construir um templo grande com sua arrecadação normal. Se a igreja depende excessivamente de dinheiro arrecadado em campanhas, alguma coisa está errada. Se o povo é pobre, assalariado, não se pode exigir, com maior razão, uma contribuição extraordinária. Ninguém pode dar o que não tem.
É para mim motivo de tristeza e indignação ver que a injustiça começa na Casa de Deus. Ora, Salomão explorou seu próprio povo para construir o Templo em Jerusalém. Se o (a) leitor (a) estiver bem atento (a), verá que Deus jamais poderia concordar com a exploração dos pobres israelitas pelas mãos de Salomão.
Ainda que assim não fosse, é bom lembrar que o templo do Espírito Santo, no Novo Testamento, são os cristãos, os nascidos de novo. Já escrevi sobre isso aqui neste espaço. Não há a necessidade nem fundamento bíblico para construirmos templos como sagrados em si mesmos, porque sagrado é o corpo do regenerado, e não o prédio em que a igreja se reúne. É claro que tudo o que pertence ao culto cristão é consagrado a Deus, mas o verdadeiro santuário é o corpo do crente em Jesus Cristo. Essa teologia é fundamental para verificarmos se nossa relação com o prédio da igreja está correta ou não.
Será que desejamos imitar os romanos? Será que desejamos imitar a parcela neopentecostal com suas catedrais, com seus templos-maiores, com seus complexos prediais que mais parecem uma ostentação pagã? A que custo são colocadas as pedras dos grandes templos? Será que Jesus Cristo realmente se alegra com nossos templos gigantes? Será que o Nome do SENHOR é glorificado quando pobres viúvas e senhores desempregados se sentem culpados por não ajudarem com um saco de cimento ou com os carnês mensais de contribuição?

Um comentário:

João Armando disse...

Você mexeu num vespeiro... Ferroadas à parte, concordo com as colocações. Eu iria além - já percebeu como Jesus nos mandou orar, com respeito à Seara? Ele não disse "Rogai ao Senhor da seara que envie DINHEIRO à sua seara" mas "que envie TRABALHADORES"... A obra de Deus, feita no modo e no tempo de Deus, certamente terá, da parte de Deus, o suprimento. Sim, ele usa pessoas, mas creio que muitas cobranças feitas "ad nauseam" no meio evangélico podem, no fundo, brotar de falsas nec

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.