domingo, 7 de abril de 2013

Anotações sobre o Caso Marco Feliciano

A quantidade de coisas a dizer sobre o Caso Marco Feliciano é enorme. Para quem não sabe, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) está enfrentando dura oposição de grupos de esquerda porque se tornou presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, comissão que até então havia sido presidida somente pelo PT, desde 1995, quando foi criada. A acusação principal consiste em que o deputado seria "homofóbico" e "racista", após o que surgem outras imputações, instrumentalizadas para corroborar a artilharia pesada que tem sido dirigida ao deputado evangélico (processo no STF por suposto estelionato, vídeo em que o pastor teria pedido a senha do cartão de um ofertante, remuneração de assessores parlamentares para atuarem fora do Congresso...).
Quero, nestas linhas, comentar sobre as acusações de homofobia e racismo, além de refletir sobre a ação política das igrejas evangélicas e os movimentos esquerdistas, especialmente o PT, o PSOL e o deputado Jean Wyllys.
Primeiro, devo deixar assentado que não estou próximo à postura doutrinária ou teológica do Pr. Feliciano, assim como não aprecio o seu estilo de um modo geral. Embora ele seja um renomado pregador, confesso que jamais escutei uma só de suas pregações por inteiro. E não sou um de seus admiradores. Meus pregadores favoritos são outros. O Pr. Marco Feliciano e eu somos assembleianos, e assim, em tese, membros do movimento pentecostal histórico, mas desconfio de que sua igreja Tempo de Avivamento seja algo do ramo neopentecostal, mais tendente à Teologia da Prosperidade que à Ortodoxia Bíblica.
Também quanto ao aspecto político, estou distante do Pr. Feliciano, que se elegeu numa aliança com o petismo e pediu votos para Dilma Rousseff, tendo atuado para dissuadir os eleitores evangélicos da ideia de que a candidata petista seria contrária a valores cristãos. Marco Feliciano está entre aqueles líderes evangélicos que mantêm o discurso "conservador" em matéria de costumes sociais, como Magno Malta e Anthony Garotinho, mas que se associam ao PT, mesmo tendo ciência de que se trata de um partido que defende uma agenda secularista.
De todo modo, quero deixar consignado que o Pr. Feliciano não pode ser considerado homofóbico nem racista - não pelas declarações aduzidas no microblog Twitter. Ele pode ser pouco preparado, inexperiente na política, sem grande cultura, mas não pode ser incriminado dessa forma, pois estou certo de que apenas se expressou mal ou emitiu opiniões que o Estado de Direito Democrático é capaz de suportar. Até o considero um alvo fácil, diferente, por exemplo, do Pr. Silas Malafaia, que possui maior traquejo, mas ninguém deve ser penalizado por falar bobagens.
Dizem que o Pr. Feliciano seria homofóbico porque disse, via Twitter, que "a podridão dos sentimentos dos homoafetivos (sic) leva ao ódio, ao crime e à rejeição". Ora, isso por acaso é discriminação sexual? Pode ser besteira, mas não é discriminação. É somente uma opinião. Nada me convence de que haja um ato ilícito nessas palavras. Ademais, são poucas as palavras ali escritas para que se possa fazer um juízo de valor sobre o comportamento do deputado quanto às pessoas que praticam relações homossexuais ou que se identificam como homossexuais.
Quanto à acusação de racismo, trata-se de um retumbante exagero. O Pr. Feliciano cometeu, sim, um erro hermenêutico, e me refiro à Ciência da Interpretação Bíblica, além de incidir num erro teológico. Veja o que ele escreveu na referida rede social: 
"Africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Isso é fato. O motivo da maldição é polêmica. Não sejam irresponsáveis twitters rsss". Em acréscimo, disse: "sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças oriundas de lá: ebola, Aids. Fome...". Além de discordar da tese teológica por ele defendida, vejo um erro hermenêutico, porque o Pr. Feliciano esqueceu de que o amaldiçoado foi Canaã, e não seu pai, Cão, conquanto este tenha cometido o pecado contra Noé. A história da maldição de Canaã foi registrada, séculos mais tarde, por Moisés (Gn 9.20-27) e serviu de demonstração, ao povo hebreu, de que o povo habitante de Canaã (atual Palestina) deveria ser retirado da Terra Prometida a fim de que a promessa de Deus se cumprisse. Há a teoria de que os descendentes de Noé se espalharam no mundo da seguinte maneira: os descendentes de Jafé teriam migrado para a Europa, os de Sem, para a Ásia, e os de Cão, para a África. De Sem decorre o termo "semita", que inclui os judeus. Todavia, inúmeras razões nos levam a discordar da tese da maldição sobre a África: a) geograficamente, tem-se que o Continente Africano é territorialmente imenso e culturalmente diversificado, dividido pelo deserto do Saara, contando com etnias, tribos e idiossincrasias as mais variadas; b) em termos de História da Igreja, foi o Continente onde nasceu o grande teólogo Agostinho de Hipona, além da inegável relevância nos primeiros séculos da Era Cristã; c) em termos de História Geral, sabe-se que houve o problema da Colonização da África por países europeus, como Inglaterra, França, Portugal, Bélgica e Holanda, o que ressaltou divisões tribais e contribuiu para guerras civis; d) espiritualmente, deve-se admitir que a maldição do pecado repousa sobre toda a Humanidade, sendo indispensável a Salvação em Jesus Cristo.
Demais disto, dizer que Marco Feliciano é racista não combina com o fato de ser ele mesmo um mulato, alguém que poderia pleitear cotas raciais. Sei que pode surgir a objeção de que negros também podem ser racistas, mas há que se reconhecer que, por sua frase no Twitter, o deputado acabou se incluindo entre os descendentes de um homem amaldiçoado, não por considerar que africanos são ruins, mas por entender, erroneamente, que o amaldiçoado Cão levou para a África a sua maldição. Sinceramente, o que faltou ao jovem deputado e pastor foi conhecimento teológico e uma boa dose de cautela.

A falta de maior preparo intelectual e de melhor formação política conduz o Pr. Feliciano a dizer coisas que deveria evitar. Ocorre que Marco Feliciano é um produto da forma evangélica de fazer política.
Há anos eu entendo que a atuação política das igrejas não é das melhores. O lançamento de candidatos "naturais", "oficiais", sob o slogan de que "irmão vota em irmão", com o patrocínio de pastores-presidentes e convenções, não é o melhor caminho, ou pelo menos pode ser feito de maneira mais racional e legítima. Em lugar de políticos densos, conhecidos pela liderança, pela ética e pela ocupação das questões mais importantes da sociedade, elegemos candidatos medíocres, fracos, candidatos naturais ao baixo clero, os quais não mudarão em nada as feições econômicas, sociais e políticas do Brasil.
Sei que Marco Feliciano  não é exatamente um representante da média dos deputados evangélicos porque ele já era muitíssimo conhecido e poderia se eleger, acredito, sem ser o candidato oficial de uma igreja. E, em seu primeiro mandato eletivo, procurou presidir uma comissão da Câmara, almejando sair do baixo clero. De toda maneira, ele não tem uma visão abrangente da vida pública, e a forma como defende os valores cristãos às vezes piora o debate.
Tenho receio de que a intensificação dos protestos e polêmicas em torno de Marco Feliciano reforce a ideia de que a bancada evangélica deve ser tão setorizada, em lugar de reforçar a necessidade de maior preparo intelectual e político. Para ganhar votos, podem surgir os candidatos de uma nota só: contra o aborto, ou contra o casamento gay, ou contra a descriminação do uso de drogas. Mas precisamos de um discurso e de uma atuação mais inteligente e mais alargada.
Agora, a patrulha sobre o deputado Marco Feliciano tem sido horrível, e a imprensa, amiga dos supostos vanguardistas, não acha ruim o fato de baderneiros atrapalharem, aos gritos e gestos, os trabalhos parlamentares. Dizem que é democrático subir na bancada dos deputados, gritar, tumultuar. Antidemocrático, pensam eles, é fechar as portas da sala de sessões da Comissão para permitir que se discuta o problema, por exemplo, dos doze brasileiros presos injustamente na Bolívia.
Nessa toada, PT e PSOL se irmanam numa orquestração para achincalhar o movimento evangélico, cuja caricatura hoje atende pelo nome de Marco Feliciano. Aquele deputado Jean Wyllys (PSOL/RJ), meu conterrâneo de Alagoinhas - e contemporâneo numa escola em Pojuca -, faz um papel temerário ao adotar argumentos que são, em última análise, contrários à democracia, à tolerância religiosa, à liberdade, aos direitos fundamentais. E a imprensa acompanha e acha tudo muito lindo.
Pronto, estamos vendo como é complicado eleger pessoas pouco preparadas para enfrentar PT e PSOL, que, embora ignorantes e preconceituosos, são aclamados pela imprensa como paladinos da intelectualidade política, do progresso e das liberdades públicas.
Deveríamos pensar melhor sobre em quem votar nas próximas eleições. Mas não tenho tantas esperanças. Sei apenas que Deus controla todas as coisas, e que, independentemente de qualquer circunstância, devemos orar pelas autoridades constituídas. Agora, mais do que nunca! 

2 comentários:

João Armando disse...

Pois é, aproveitando a famosa frase humorística de Chico Anísio, Marco Feliciano frequentemente despreza excelentes oportunidades de ficar calado. Corre a boca pequena que terá dito que John Lennon levou três tiros, "um do Pai, outro do Filho e outro do Espírito Santo" porque blasfemou contra Deus - e que o avião dos Mamonas caiu pelos mesmos motivos. Isso sem falar no vídeo onde ele ironiza com o fiel que lhe deu o cartão bancário mas não a senha... (está no Youtube). Sinceramente, é muito, muito difícil apoiar gente assim. Até quando são contra coisas ruins (homossexualismo), ajuntam aos argumentos tantas bobagens que termina por ser um desserviço à causa da verdade.

claudiopimenta disse...

Tambem nao gosto do modo e pregaçoes do Marcos mas vmeos claramente que a situaçao ali envolve outras coisas
nobrissimo como sempre escreve muito bem a questao ali sao os milhoes de reais que nao mais saem para os militantes gays

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.