domingo, 3 de agosto de 2014

O Templo de Edir Macedo: mais para Templo de Herodes do que para Templo de Salomão

É espantoso, estupefaciente e absolutamente bizarro o suposto "Templo de Salomão" edificado pela Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), na cidade de São Paulo.
Além das proporções faraônicas, da ostentação, do marketing político, da suspeita de contaminação do solo e da falta de aprovação regular para a construção, há a teologia canhestra, que faz reproduzir um símbolo judaico que o Novo Testamento não aplica à Igreja!
No caso de Edir Macedo, nem se trata de uma guinada propriamente dita ao Movimento Judaizante, mas, sim, de uma alteração na propaganda religiosa dessa igreja-corporação. 
Edir Macedo não está e nunca esteve preocupado em ser bíblico: aquele solidéu (cobertura da cabeça do homem), o talit (xale de oração), a barba de profeta, a menorá, a imitação da Arca da Aliança, a alcunha de "sumo sacerdote" que seus asseclas lhe emprestaram, tudo não passa de um artifício muito bem engendrado para enganar os tolos.
Mesmo assim, como já existe o Movimento Judaizante no Brasil, e como Edir Macedo lamentavelmente é referência para muitos que se dizem cristãos, creio que esse Templo de Salomão contrafeito irá inspirar muita gente.
Tenho receio até de que crentes de igrejas históricas e pentecostais-históricas emulem as práticas judaizantes e/ou megalômanas de Edir Macedo, já que ele conseguiu construir em quatro anos um templo muito, mas muito maior do que outras igrejas têm procurado fazer por anos a fio. Esses líderes, quando olham para suas construções que já parecem ruínas - lembrando o Haiti de Caetano Veloso -, e deparam com a propaganda do Templo faraônico da IURD, devem saculejar os ainda remanescentes pensamentos conservadores de sua teologia fracamente compreendida.
Menorá, toque do shofar, festas judaicas, essas coisas têm adentrado arraiais supostamente evangélicos. 
Esse pessoal considera-se cristão evangélico, e geralmente tem sido classificado na imprensa como "igrejas neopentecostais" ou tão somente "pentecostais". Será que eles falam por nós?
Pensando sobre a inauguração do Templo de Edir Macedo, lembro, não do Templo de Salomão, mas do Templo de outro rei, um descendente de Esaú (Edom) que chegou ao trono de Israel em 37 a.C. e morreu em 4.a.C. Refiro-me a Herodes, o Grande, político habilidoso e assassino de pelo menos duas de suas esposas e dois de seus filhos, que conseguiu apoio político de Roma para governar os filhos de Israel por um tempo razoável. Que escárnio! Ele era descendente de Esaú, e não de Jacó! Quem conhece um pouco da Bíblia sabe o que isso significa. Herodes era descendente de um outro povo, que provinha do rejeitado e reprovado Esaú, que trocara sua primogenitura por um prato de lentilhas (leia Gênesis e procure esse texto).
Mas esse político Herodes embelezou muito o chamado "Segundo Templo", aquele que fora edificado no lugar do Templo de Salomão, o qual, por sua vez, fora destruído em 586 a.C. por Nabocudonosor, rei da Babilônia. 
O Segundo Templo foi edificado em 516 a.C., e Herodes viu no embelezamento do Templo a oportunidade de manter os judeus simpáticos ao seu governo - e veja que nem se tratava de democracia, mas de verdadeira tirania. Mesmo assim, Herodes sabia que conquistar a simpatia do povo seria bom para evitar sedições e distúrbios.
O Templo embelezado por Herodes era tão esplendoroso que se dizia entre o povo algo como "Quem não viu o Templo de Herodes não sabe o que é belo". O projeto devia ser magnífico mesmo, porque levou décadas, e foi concluído somente em 64 d.C. A alegria, porém, durou pouco, porque em 70 d.C. o general Tito, filho do Imperador Vespasiano, destruiu o Templo, que jamais foi reedificado (os judeus religiosos aguardam a reconstrução do Templo em Jerusalém, assim como cristãos da linha dispensacionalista acreditam que isso ocorrerá um dia).
Salomão edificou o Templo por orientação de Deus, para representar a presença do SENHOR entre o Seu povo. No entanto, no Novo Testamento, o templo do Espírito Santo é o crente em Jesus Cristo. Leia I Co e procure essa passagem.
Ora, como posso relacionar Edir Macedo a Salomão? Eventual relação teria passagem pela sabedoria, pela riqueza, pelos escritos? E a relação com Herodes, o leitor consegue imaginar? Edir Macedo e Herodes poderiam figurar na história como personagens ilegítimos que tentaram edificar o que não lhes dizia respeito?
Pense sobre isso.

2 comentários:

João Armando disse...

Ao menos tem sido coerente com suas práticas pagãs e financistas até agora. Recentemente li na imprensa que quem chegar a pé não poderá adentrar o templo - faculta-se o acesso somente através de vans de uma empresa terceirizada, e as passagens custam R$18,00 cada! Mais - a imprensa também noticiou que a obra foi feita mediante alvará irregular, pois era apenas para reforma de prédio e, pelo que se vê, foi algo totalmente diferente.

Anônimo disse...

A PAZ DO SENHOR AMADO!

EXCELENTE OBSERVAÇÃO IRMÃO. INFELIZMENTE O A MAIORIA DOS CRISTÃOS PERECEM E SÃO LEVADOS POR DOUTRINAS DE VENTO POR FALTA DE CNHECIMENTO.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.