terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Mentes terroristas

Você, prezado leitor, tem lido e ouvido muita coisa sobre o terrorismo internacional, em razão da atividade de grupos como Al Qaeda, Estado Islâmico e Boko Haram, entre outros. Você fica chocado com notícias sobre decapitações, sequestro de meninas, escravização sexual, ataques suicidas, assassinatos de inúmeros civis, genocídio, estupros - a lista é longa e assustadora. E, então, pergunta: como o ser humano pode fazer isso com o seu semelhante?
Primeiro, saiba que o principal objetivo do terrorismo é justamente, e por óbvio, incutir o medo generalizado na sociedade. O terrorista pretende silenciar qualquer oposição, sufocar todo pensamento diverso, matar a liberdade. O que lhe interessa é o controle total e absoluto.
No caso do Islamismo, há passagens do Alcorão, seu livro sagrado, que pregam a morte daqueles que não creem em Alá nem no seu "profeta" Maomé. 
Um dos pilares do Islã é a Jihad, que, embora os muçulmanos mais moderados possam interpretar como defesa veemente de suas convicções, tem sido entendida ao longo da História, pelos grupos islâmicos, como toda forma de luta em favor da expansão do domínio muçulmano, podendo-se lançar mão da violência. Foi assim desde Maomé, e prosseguiu imediatamente com os seus sucessores imediatos, os "califas ortodoxos". Ou você pensa que o Islamismo cresceu tanto no Oriente Médio, no Norte da África e na Ásia, assim como chegou à Península Ibérica, à base de pregação persuasiva e ensino sistemático de sua teologia?!
Além de uma orientação escriturística em favor de um combate persistente e, se "necessário", violento, grande parte dos islamitas em todo o mundo - grande parte mesmo! - conta com o traço do fundamentalismo, tendência segundo a qual as afirmações de fé devem ser levadas a efeito sem matizes. Não há o outro. Não há temperamentos. Não há explicações. Não há contextualização. É isso e pronto, sem conversa.
Associando um texto absoluto prescritivo ao fundamentalismo e à busca de um sentido ou mesmo de poder na vida, dentro de certas circunstâncias históricas, tem-se a fórmula para o terror. É assim que nasce um psicopata terrorista.
Assim, o leitor ficará apavorado ao imaginar que pessoas comuns, "de bem", que podem estar agora ao seu lado, defenderiam atos de terror se houvesse uma "causa justa". Quem sabe essa causa não seria a justiça social, hein? Ou a completa igualdade na Terra... Ou, quem sabe, a exterminação das diferenças religiosas, em nome de um Estado laico (leia-se "laicista") ... Ou, ainda, a reestruturação da condição humana em prol de um bem maior, a criação de um Novo Homem, para as futuras gerações...
Pois tudo isso já foi feito:
Os fascistas não estavam satisfeitos com o funcionamento da sociedade italiana. Vejam no que deu.
Os nazistas não estavam satisfeitos com a Humanidade. Primeiro foram as sequelas da Primeira Guerra, a crise econômica... E seis milhões de judeus foram mortos das piores formas com o apoio popular e para o espanto do mundo!
Os comunistas não eram melhores. Eles queriam construir uma sociedade livre de classes sociais para o bem do Homem, certo? Mesmo que para isso tivessem de matar muitos homens. Os comunistas mataram muito mais gente do que os nazistas. Muito mais gente (na Ucrânia, houve o genocídio conhecido como holodomor ou conjunto de mortes causadas pela fome, uma medida determinada pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas).
Em Cuba, utopia dos socialistas bacanas da classe alta, Che Guevara patrocinava fuzilamentos, o que defendeu em discurso nas Nações Unidas (!).
Aqui no Brasil, jovens se agruparam em organizações de guerrilha durante o Regime Militar, não para simplesmente combater a Ditadura, mas para implantar a Ditadura do Proletariado. Houve atentados a fim de concretizar esse "sonho". Pessoas morreram.
Se quiser fazer um teste, comece a conversar com as pessoas a respeito de situações em que seria supostamente aceito o terrorismo. Dê as alternativas. Você irá se espantar muito. E seu coração poderá se aterrorizar antes mesmo de o terror começar de fato.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.