sexta-feira, 17 de março de 2017

RÁPIDOS EM REFUTAR OS TRADICIONAIS, CONVENIENTEMENTE TÍMIDOS QUANTO AOS NEOPENTECOSTAIS


Alex Esteves da Rocha Sousa


Descontrole do púlpito e dos elementos do culto são tristes marcas de um pentecostalismo que se afasta do Pentecostalismo Histórico. Temos demonstrado imensa dificuldade em retirar de nosso meio pregações triunfalistas, sensacionalistas, de Confissão Positiva, maldição hereditária, cobertura espiritual, e tantas bobagens que insistem em ser caracterizadas como próprias do ser pentecostal. Por que temos essa dificuldade? Será a falta de instrução bíblico-teológica? Será a falta de liderança? Será a total confusão instalada no meio evangélico brasileiro? Um pouco de cada coisa, certamente, mas nada disso explica definitivamente a situação, pois nós sabemos muito bem refutar ensinos de igrejas tradicionais, como o cessacionismo e a identificação entre batismo no Espírito Santo e conversão.
Note-se que nem todas as igrejas tradicionais são cessacionistas, havendo igrejas históricas que aceitam a atualidade dos dons espirituais e até mesmo o revestimento de poder, ainda que não o chamem de “batismo no Espírito Santo”, tampouco reconheçam a glossolália como evidência física inicial desse revestimento. Há ainda o aspecto de que, enquanto a Teologia Pentecostal distingue línguas como sinal e línguas como dom (variedade de línguas), os não cessacionistas de igrejas históricas não enxergam essa distinção. Diante disso, nosso julgamento é radical: consideramos que esses irmãos são “frios”, que não conhecem a ação do Espírito, que defendem um evangelho mutilado, incompleto. Nosso entendimento é tido por completo porque supostamente valorizamos o poder de Deus, como se nossos irmãos de igrejas tradicionais dependessem de seu intelecto e esforço.
Seria muito interessante se nossa aguda percepção quanto aos tradicionais também se aplicasse aos pregadores e líderes neopentecostais. Deveríamos, sim, fazer “cara feia” ao ouvir besteiras ditas no púlpito, deixar de convidar pregadores que agem assim, filtrar muito bem nossa lista de convidados, cuidar do que se canta na igreja, dar oportunidade para pessoas que não têm chance evidente de lançar heresias e distorções ao vento, decidir quem deve ser consagrado aos ofícios eclesiásticos de acordo com suas posições doutrinárias e teológicas.
Infelizmente, há uma conexão histórica entre Pentecostalismo Clássico e Neopentecostalismo, e isso se deu nos Estados Unidos, com seu evangelho da prosperidade - o chamado “Movimento da Fé” - e uma cultura evangélica utilitarista e pragmática. Kenneth Hagin, considerado o pai desse movimento, era da Assembleia de Deus. Muitos outros, também. Sua influência sobre a Assembleia de Deus, na prática, ainda é acentuada, o que lamento profundamente. Mas eu pergunto: nossa referência são os pregadores da prosperidade ou Cristo?
Se eu tivesse de escolher entre a sólida teologia de igrejas históricas, especialmente as de fé reformada, e os ensinos de neopentecostais, não teria nenhuma dúvida: ficaria ao lado das igrejas históricas. Em termos de conexão teológica, estamos mais próximos dos reformados e metodistas, em razão da suficiência e autoridade das Escrituras, bem como do cristocentrismo, do que dos neopentecostais, que não estão muito preocupados com o que a Bíblia diz.
Na sucessão histórica dos movimentos cristãos, seria até plausível supor que o Movimento Pentecostal, uma ocorrência do Séc. XX, seja caracterizado como um evento próprio das igrejas de doutrina ortodoxa, com uma ênfase especial na ação carismática do Espírito Santo. Entretanto, como as igrejas neopentecostais entrariam nessa cadeia?
Estamos realmente preocupados com a Sã Doutrina ou nossa preocupação é com a “identidade assembleiana”, numa perspectiva bairrista?

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.