sexta-feira, 10 de março de 2017

BODES, PORCOS, LOBOS, RAPOSAS, COBRAS E CÃES

Ev. Alex Esteves da Rocha Sousa
O mundo animal é frequentemente lembrado quando se buscam metáforas para os atributos da natureza humana. Daí nascem as fábulas e prosopopeias, onde animais se portam como pessoas, a exemplo de enredos dos Contos de Grimm, além de inúmeros desenhos animados. A literatura moderna também se abebera dessa fonte. Em A Revolução dos Bichos, George Orwell emprega uma fábula para narrar, com maestria, a trajetória de regimes socialistas totalitários. Lá estão porcos, galinhas, cavalos, cães, mas a história é sobre o Homem.
Tal recurso literário não escaparia à Bíblia, na qual se apresentam as figuras semânticas do leão, da ovelha, do bode, do cordeiro, da pomba, dos porcos, dos cães, dos lobos… em meio a uma miríade de tantas outras ilustrações da maior riqueza e significado ético, moral, espiritual e escatológico.
Assim, Jesus é “o Leão da Tribo de Judá”, mas o diabo anda “em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar”; os crentes são chamados de “ovelhas”; o Messias dirigiu-se à Cruz como “cordeiro levado ao matadouro”; o discípulo de Cristo deve ser “símplice como as pombas e prudente como as serpentes”; uma pomba descida sobre a cabeça de Jesus simbolizou (e corporificou) o Espírito Santo.
Os porcos, de modo geral, são biblicamente ligados à noção de imundície; os bodes são associados à agressividade e rispidez; falsos líderes são como “lobos devoradores” e “cães”; aquele que volta ao pecado é como “a porca lavada [que volta] ao espojadouro de lama”, ou como “o cão [que voltou] ao seu próprio vômito”.
Jesus referiu-se a Herodes como “aquela raposa” em razão da disposição deste para o ardil; João Batista chamou os fariseus de “raça de víboras” porque a conduta deles era inteiramente reprovável; o diabo é “a antiga serpente”, não apenas porque incorporou uma serpente para tentar a mulher, mas porque serpentes são insidiosas; o mesmo diabo é o “dragão” por ser destruidor, monstruoso, homicida.
Toda essa peroração serve para assentar que me espanta a possibilidade de denominados “pastores” agirem como bodes, porcos, lobos, raposas, cobras ou cães, o que acontece eventualmente quando são agressivos, imundos, vorazes, ardilosos, insidiosos ou gritalhões: agressivos como bodes cuja cara já assusta de longe; imundos como porcos que se satisfazem, juntos, no erro; vorazes como alcateia que destrói a presa em segundos; ardilosos como raposas cujas intenções nunca são conhecidas; gritalhões como cachorros que, em matilha, partem ladrando para vencer pela força.
Esses indivíduos que emulam características animalescas são menos dignos do que os próprios animais, porque estes, agora gemendo pelos efeitos da Queda, aguardam, “com ardente expectação”, a “manifestação dos filhos de Deus” - e o que esses homens esperam? São esses indivíduos menos dignos do que os animais cujos atributos macaqueiam, pois na Arca de Noé entraram todos os animais, conforme determinação divina - e desses homens… se poderá dizer que entrarão na Arca da Salvação?
Somente ovelhas participam do rebanho do Sumo Pastor e Bispo de nossas almas - os bodes ficarão de fora, ainda que cobertos das lãs do simulacro. Somente pintainhos são albergados sob as asas da galinha que, amorosa, os pretende livrar de todo mal.
Os representantes da maldade reunir-se-ão, isto sim, na “Grande Ceia de Deus”, a ceia dos animais, uma das ceias apocalípticas, em que a carne dos poderosos será dilacerada pelas aves. Aliás, presentemente os tais que são falsos profetas e falsos cristos já reúnem multidões, porque “onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão os abutres”.
Pastores que ladram mordem, e não são pastores. São mercenários, salteadores, abusadores espirituais, arrombadores da inocência e aproveitadores da ambição alheia. Jamais, em tempo algum, devemos admitir que pastores se comportem como animais irracionais, bestas indecentes, cobras peçonhentas, pragas de plantações. Devemos, na verdade, arrancar as ovelhas da boca desses leões famintos, para salvar, quem sabe, “as duas pernas ou um pedaço da orelha”.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.