sexta-feira, 16 de julho de 2010

"Uma gota de sangue", de Demétrio Magnoli, é livro altamente recomendável

Recomendo a leitura do livro Uma gota de sangue - História do Pensamento Racial, do sociólogo Demétrio Magnoli. Rica em bibliografia e lúcida em seus argumentos, a obra trata da farsa do "racismo científico" e de como se tem adotado o mito da raça em todo o mundo, para a implementação de políticas como a das cotas para negros em universidades.
O autor expõe com detalhes o modo como se criou a tese de que raças existem. Mostra que, desde a Conferência de Durban, em 2001, a política de ações afirmativas tem crescido em diversos países, a exemplo do Brasil.
Magnoli cita a questão étnica em países como a Alemanha Nazista, os Estados Unidos da segregação racial, a África do Sul do apartheid, Índia, Malásia, Nigéria, Ruanda, Burundi, Angola, Moçambique, Haiti, Bolívia, Brasil, além dos empreendimentos colononizadores da Costa do Marfim e da Libéria. É um relato formidável da evolução do pensamento racial.
O livro defende que a história recente da África envolve três etapas com relação à questão étnica: a) nacionalismo, em torno da necessidade de independência de antigas colônias africanas; b) pan-africanismo, como forma de auto-afirmação dos países africanos; c) e políticas de ações afirmativas, com estímulos da própria ONU, cujo marco é a Conferência de Durban, África do Sul, em 2001.
O resultado das ações afirmativas em toda parte tem sido a criação de uma elite étnica a partir da classe média do grupo privilegiado. Tensões são criadas também com os grupos alienados das cotas.
Chamou-me a atenção, por exemplo, o caso de um grupo indiano que pretendia ser rebaixado de casta para obter privilégios legais! E na África do Sul chineses sul-africanos conseguiram na Justiça a identificação de serem "negros para todos os efeitos legais"! Em Ruanda, tutsis e hutus, muito parecidos, foram classificados racialmente em seus documentos de identidade.
Demétrio Magnoli é muito feliz ao afirmar que os movimentos negros têm, de modo geral, defendido um aspecto do pan-africanismo, que consiste em ensinar que o continente africano é a pátria de todos os negros ao redor do mundo. Assim, negros brasileiros não seriam primeiramente brasileiros, mas africanos expatriados por conta da escravidão, vivendo hoje numa diáspora, como o povo de Israel. Em vez de cidadania e nacionalidade, os movimentos negros, salvo exceções, defendem a afrodescendência como conceito político. Um dos problemas disso é que eles se abeberam de uma péssima fonte, qual seja, o racismo científico, que chegou a dividir a humanidade em brancos, negros, amarelos, vermelhos e malaios (marrons), quando se sabe em nossos dias que há maior diversidade genética entre indivíduos da mesma "raça" do que entre indivíduos de "raças" distintas. Ou seja: a diversidade que existe se dá entre indivíduos, e não entre raças humanas, pois raças não existem. Há apenas a espécie humana.
Ainda hoje se pensa em termos da regra da gota de sangue única, norma adotada nos Estados Unidos da segregação racial para identificar uma pessoa como negra - se houver um só ascendente negro, a pessoa é negra - como Obama é considerado até hoje, embora tenha mãe branca. Essa regra é necessária para quem precisa ideologicamente acreditar que existem raças superiores e inferiores, ou que simplesmente existem raças. Do contrário, como definir o mestiço, e como discriminá-lo ou lhe reconhecer direitos?
Curiosamente, as primeiras ações afirmativas foram determinadas por um republicano, o presidente americano Richard Nixon - que era de direita. Assim, a proposta não veio da esquerda, mas as esquerdas hoje a defendem. A Fundação Ford teve e tem um papel crucial nesse processo, despejando bolsas de estudo e financiamento de ONG´s ao redor do mundo para espalhar a ideia de que raças existem. Tudo não passa de uma tentativa de acomodar grupos supostamente vulneráveis aos anseios do capitalismo, para que não haja problemas de rompimento do sistema econômico.
O autor menciona figuras protestantes como o pastor Martin Luther King e William Wilberforce, este um abolicionista britânico, aquele o líder do movimento pelos direitos civis nos Estados Unidos. Também cita o indiano Mahatma Gandhi, e muitos outros nomes, favoráveis ou não ao pensamento racialista.
Demétrio Magnoli defende o aperfeiçoamento de políticas educacionais para todos os cidadãos, independentemente da cor da pele, porque o problema dos negros pobres é socioeconômico, assim como é socioeconômico o problema dos brancos pobres, dos orientais pobres e dos indígenas pobres. Se todos são brasileiros, todos têm o direito a uma proteção digna concedida pelo Estado brasileiro.
Infelizmente, sob a capa do "multiculturalismo", revisita-se a tese racialista, mas por outro prisma: haveria a necessidade de preservar culturas de nações dentro de uma nação, não como simples forma de preservação da história, mas com o objetivo de enraizar nos corações das pessoas que, em vez de iguais, elas são diferentes, e que devem lutar por uma identidade étnico-cultural.
Espero que o estudo produzido pelo professor Demétrio Magnoli seja lido pelas autoridades públicas do Brasil - embora eu saiba que há uma tendência de avanço cada vez maior do multiculturalismo, o que inclui aqueles que trabalham nas carreiras jurídicas de Estado.

Referência:
MAGNOLI, Demétrio. Uma gota de sangue. História do pensamento racial. São Paulo: Contexto, 2009, 398p.

3 comentários:

João Armando disse...

Vai aqui uma sugestão para um post - estudar a maneira como a Bíblia se refere a pessoas de outras "raças", como os cita, em quais contextos. Lembro-me, agora, de passagem, da passagem que fala de Níger em Atos 13.1 - que tradicionalmente tem sido interpretada como a se referir a um negro "profeta e mestre" na igreja de Antioquia, lembro-me da referência ao etíope que não podia mudar sua pele em Jeremias, enfim. Talvez seria necessário ver-se também como a Bíblia nos ordena tratar os estrangeiros. Tenho a impressão que o ensino bíblico é de igualdade - de direitos e deveres. Nada de injustiças nem à direita nem à esquerda, tal como os privilégios que o Movimento Negro quer.

Alex Esteves da Rocha Sousa disse...

João,

Obrigado pela sugestão. Vou fazê-lo assim que puder. Já escrevi algo como "Elementos de uma teologia negra", mas, acredite, nem gosto dessa expressão.
Um abraço,
Alex.

Alex Esteves da Rocha Sousa disse...

João,

Acabo de verificar que em 19 de junho de 2008 eu abordei mais ou menos o que você propôs, com o título Rascunhando temas de "Teologia Negra". Até fiz uma anotação hoje, como ressalva ao uso da expressão. Veja lá.
Abraço.
Alex.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.