sábado, 7 de agosto de 2010

Infelizmente, perduram alianças entre igrejas e políticos

A Assembleia de Deus do ministério de Madureira firmou apoio a Dilma Rousseff, por meio do bispo/deputado federal Manoel Ferreira. Com uma palavra da candidata petista no sentido de não defender a descriminação do aborto como política de governo, o bispo/deputado se contentou, como se tivesse mesmo acreditado nisso. É como aquela história: eu quero apoiar alguém e coloco uma condição protocolar para mostrar que não transigi com os meus princípios.
Ora, nós sabemos que o PT apóia a descriminação do aborto, o ativismo homossexual, o controle "social" da imprensa, as invasões de terra do MST. Eles nunca mudaram suas concepções mais profundas, apenas deram uma guinada pragmática ao conservadorismo econômico em favor de um projeto de poder. Os petistas continuam os mesmos.
De qualquer maneira, não pode uma igreja declarar apoio a um ou outro candidato. Se a igreja pretende politizar os membros, deve, isto sim, chamar todos os candidatos para falar, ou, melhor ainda, deve o pastor apresentar os princípios bíblicos para um bom governo, para a relação do crente com as autoridades constituídas e os conceitos de justiça, solidariedade, dever, ética, moralidade, além de questões morais importantes, que dizem respeito a temas como aborto, homossexualismo, combate às drogas ilícitas, casamento e divórcio. Esse é o papel social e político da igreja.
Constituir comissões "políticas" e achar que esse é o trabalho político da igreja é uma lástima, assim como lançar candidatos "oficiais", "naturais", como se eles fossem os legitimados por Deus para a vida pública. Ora, isso é errado porque se mistura religião e política, de tal maneira que o crente pode ser levado a votar em determinado candidato acreditando que foi Deus quem mandou. Precisamos ser éticos!
Ou nós não confiamos na maturidade política de nossos irmãos? Talvez não confiemos porque não lhes estamos dando condições de abrir a mente. Ficar dando pulos, gritos e socos no ar não edifica ninguém mesmo. É necessário abrir a Bíblia e comentar as coisas maravilhosas da Palavra de Deus. Com a exposição cristalina das Escrituras, o povo vai ser edificado e amadurecido em todos os sentidos da vida. Até o voto será mais consciente.
O que não dá para admitir de jeito nenhum é aproveitar o número de ovelhas e achar que elas constituem um curral eleitoral. Não, não constituem. A metáfora bíblica para igreja não é curral. A metáfora é rebanho, pois a igreja é pastoreada por Jesus Cristo, como as ovelhas, que em tudo dependem de seu pastor, seu guia e mestre.
Enquanto a igreja evangélica brasileira ficar se entregando a políticos, não haverá transformação social e política. Eu queria que a igreja se conscientizasse de sua dimensão! Somos milhões de brasileiros, mas ainda nos posicionamos como mais um grupo pedinte no meio de uma nação sem rumo.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.