domingo, 1 de agosto de 2010

Muito cuidado com certos discursos!

Defendo a crítica a pecados institucionais e coletivos, mas procuro ter cuidado para não generalizar e não criticar a Igreja de forma indevida. Por exemplo, não aprecio aquele discurso de que "essa igreja não tem amor". Para mim, essa é uma fala muito apropriada na boca do Diabo.
Explico: não me parece nada construtivo dizer, de maneira categórica e descompromissada, que a igreja não tem amor. Ora, todos somos pecadores e, por isso, imperfeitos. Parafraseando o que disse, há anos, o pastor Edésio Chéquer à minha mãe, "a igreja não é uma oficina de carros novos, mas de carros velhos". Não se deve esperar que a igreja seja um poço profundo de amor e virtudes celestiais.
"Meu Deus, o que você está dizendo"? Veja bem: não sou adepto da negligência, do cinismo nem da tolerância para com o pecado. Defendo a necessidade constante de arrependimento e denúncia do erro. Todavia, dizer simplesmente que a igreja não tem amor, como já escutei, é como negar o próprio fundamento da Igreja de Cristo, pois Deus é amor, e fomos salvos do pecado por causa do amor.
A Igreja vive um processo de santificação. Lutamos contra a carne. A batalha é cotidiana e muito dura. É mais fácil lutar contra o Diabo do que lutar contra a carne. E, se depender da carne, não haverá amor mesmo. Em Cristo é que o ser humano consegue conhecer o verdadeiro amor, pois Cristo nos amou primeiro.
O Diabo é quem gosta de dizer que a Igreja é uma instituição falida. Eu posso ver uma série de erros numa comunidade local, até mesmo numa instituição em âmbito nacional, mas não posso, em sã consciência cristã, negar a natureza espiritual da Igreja. Se Cristo morreu pelos nossos pecados, e se cremos em Sua Palavra, não pode existir igreja sem amor. Essa seria uma contradictio in terminis. O amor é a matéria fundamental do Corpo de Cristo.

Um comentário:

João Armando disse...

Muito bem. Aliás, ao citar o Rev. Edésio Chequer, baiano e ex-presidente do Supremo Concílio da IPB, vejo novamente que você tem profundas raízes presbiterianas...

Mas, voltando ao assunto do post, é comum ouvirmos esse tipo de crítica (basta acessar o site do Caio Fábio para um exemplo um tanto extremo mas muito ilustrativo). Essas críticas, contudo, como você bem o disse, são muito, mas muito diferentes da maneira como Jesus e os apóstolos se referiram à Igreja. Eles nunca foram cegos aos erros da igreja, mas tampouco se deixaram levar por essa atitude leviana e satânica. Pelo contrário, Jesus disse "EU EDIFICAREI A MINHA IGREJA" - e eu creio nisso! Ele tem edificado e, na sua volta, terá uma igreja pura, sem mácula ou ruga ou coisa semelhante.

A questão parece ser a de se separar, distinguir, enfim, a igreja visível da invisível.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.