domingo, 19 de setembro de 2010

Em time que está ganhando não se mexe?

Uma das características do presidente Luiz Inácio da Silva é abusar de metáforas futebolísticas. Afora a demasiada simplificação de temas sérios e complexos, o que vejo nessa frase em particular é a síntese do pensamento lulo-dilmista que toma conta da campanha eleitoral e dos comentários na internet. Até mesmo temos as coligações estaduais que se apresentam como "o time de Lula", para que o povo entenda, com recurso ao futebol, que os candidatos são afinados com o presidente-cabo eleitoral.

A frase-título desse artigo pode servir a comentaristas de futebol, mas merece reparos na seara política. Primeiro, uma análise conjuntural: o time está ganhando mesmo? Segundo, uma análise filosófica: o que é ganhar?

O time de Lula está ganhando em revisão da história, mistificação do seu líder populista, desrespeito às instituições, compra de votos institucionalizada, consagração da "lei do Gerson", desprezo pelos direitos individuais. Não consigo ver uma reforma importante que tenha sido produzida pelo time de Lula. Eles mudaram o que na educação, na saúde, na segurança, no desenvolvimento econômico, na estabilidade econômica, nos costumes políticos?
Mudanças houve para pior: o time de Lula conseguiu recontar a história de 500 anos do Brasil, descoberto pelo operário do ABC em 2003. Embora o Plano Real já existissse e tivesse sido alvo de críticas de Lula e do PT, o presidente fingiu que tudo o que os governos anteriores fizeram foi lhe deixar uma herança maldita. O mesmo se diga quanto à Lei de Responsabilidade Fiscal, os genéricos, o PROER, a quebra de patentes de remédios contra a AIDS, a luta, na OMC, contra os subsídios americanos, o Bolsa-Escola, que Lula chamava de "bolsa-esmola". O populista conseguiu fazer com que a maioria acreditasse que ele criou o Bolsa-Família, quando este é uma junção de benefícios do odiado FHC. Mais do que isso, Lula piorou o benefício, transformando-o num instrumento de marketing político, como, de resto, são o PAC e o Minha Casa, Minha Vida. Nem preciso mencionar que Lula lidera uma política externa sofrível, com vergonhosas atuações no caso de Honduras, Cesare Battisti, Bolívia, Cuba, Irã (nos episódios do acordo pelo enriquecimento de urânio e no da afirmação lulista de que é "avacalhação" pedir a revisão da pena de uma mulher condenada ao apedrejamento).

Economicamente, o time de Lula se ufana, mas não diz que o Brasil poderia ter crescido muito mais, dada a onda de crescimento que o mundo viveu em quase todo o período lulista. O bonde passou e nós perdemos.

Sinceramente, não vejo nada na gestão de Luiz Inácio da Silva que possa guindá-lo à posição de estadista, melhor presidente da história etc. Obama deve ter se arrependido muito de tê-lo chamado de "o cara". Depois dessa, Lula se encheu de vaidade e achou que podia fazer qualquer coisa no cenário internacional.

Quanto aos costumes políticos, o time de Lula conseguiu piorar muito com o mensalão, os aloprados, dirceus, valdomiros, quebras de sigilo, e com as alianças desenfreadas que acobertam José Sarney, Fernando Collor, Renan Calheiros, Jáder Barbalho, Severino Cavalcanti, e, aqui na Bahia, o carlista César Borges e o anticarlista, mas não menos digno de crítica, Geddel Vieira Lima.

O time de Lula é um assombro. Todo mundo quer dizer que tem alguma coisa com ele. Esse guarda-chuva abriga carlistas, oligarcas, oportunistas, sindicalistas, pseudo-socialistas, um pessoal da pesada. E isso só acontece por causa da popularidade que chega à casa dos 80%.

Agora, a pergunta de cunho filosófico: o que é ganhar? Ganhar é fazer o crescimento do PIB crescer de maneira medíocre? Ganhar é transformar a Receita Federal num lugar em que vazamentos são normais, como quer o Ministro da Fazenda? Ganhar é aumentar o número de bolsas-família, em vez de diminui-los, com a profissionalização dos beneficiários? Ganhar é conseguir que o TSE não veja que o presidente faz campanha com dinheiro e máquina públicos há uns três anos? Ganhar é mentir para a sociedade como se os presidentes anteriores, todos eles, tivessem feito um trabalho pífio?

Estou cansado de ver a justiça e as leis desrespeitadas a todo instante no Brasil, que Lula chama de "este país". Chegamos ao momento em que o time de Lula está aprendendo a gostar do jogo, mas não das regras do jogo.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.