segunda-feira, 20 de setembro de 2010

A esperança cristã é real e não constitui uma fuga da realidade OU Minha esperança como crente nestas eleições

Como cristão, conto com a esperança, uma das virtudes fundamentais, ao lado do amor e da fé. Não podemos ser cristãos e ao mesmo tempo desesperados. Não podemos criar uma "teologia da desesperança". Por causa da ressurreição de Cristo, temos o que Paulo chamou de "bendita esperança". Ela não depende de circunstâncias, nem de conjunturas econômicas, sociais ou políticas. Tudo pode ir de mal a pior, mas ainda assim a Igreja cultiva o esperar em Deus.
Esperança não é fugir da realidade. Quanto mais conheço a vida, mais sinto a necessidade de esperar o cumprimento das promessas do SENHOR. Vejo que a Bíblia se cumpre a seu tempo, e que nenhuma filosofia, conceito ou política consegue oferecer o sentido que encontrei no Evangelho. Nada vi na Palavra de Deus que tenha sido comprovadamente achado falho. Toda a minha esperança decorre da perfeição das Escrituras, tanto em sua ausência de erros como na força da mensagem da Cruz.
Dito isso, afirmo a minha certeza de que Deus não desamparará o Seu povo, seja qual for o próximo presidente, e sejam quais forem os demais representantes eleitos agora em 2010. Meu hábito de ler jornais diariamente e de acompanhar de perto as notícias sobre política me deixa informado de quantas coisas ruins se anunciam na seara político-institucional, e tenho escrito aqui sobre isso. Todavia, essa é a dimensão terrestre, em que enxergamos de maneira nebulosa, ainda. Sei que precisamos refletir e combater o bom combate, mas que há um Deus Soberano coordenando a história.
Sim! Diferentemente de Ricardo Gondim, creio que Deus dirige a história segundo Seus propósitos, e nem sou calvinista! Ora, minha esperança cristã faz com que eu tenha tranquilidade para viver a vida que Deus me concedeu, sem descuidar da reflexão e dos necessários questionamentos.
A esperança não combina com aquele tipo de escatologia alienada, que prega o terrorismo apocalíptico e a tese de que tudo vai ficar pior mesmo, e que, portanto, de nada adiantaria lutar pelo aperfeiçoamento da vida em sociedade nem pelo meio ambiente. Essa profecia é autorrealizável: eu não interfiro positivamente no mundo porque sei que ele vai piorar, e o mundo piora porque eu não interfiro positivamente no mundo. Ora, se tudo vai dar errado, espero que eu não tenha contribuído para isso!
Uma questão importante é compreender que a crença nos desígnios de Deus não nos impede de promover o bem. Essa é talvez uma das chaves para entendermos o diálogo entre história e escatologia.
Como deixei claro em outros posts, não sou simpático a Lula, Dilma Rousseff e PT, e gostaria imensamente de que esse grupo deixasse o governo federal. Entretanto, aconteça o que acontecer, tudo está em Deus. Eu só preciso acreditar que Deus não é menor que a minha consciência e capacidade de raciocínio: se fosse menor, eu é que seria deus, e então, só então, eu diria que estamos perdidos.

2 comentários:

www.gloriosojesusblogger disse...

Quando ouvimos alguém aprendemos muito e cada pessoa tem algo novo a nos ensinar...você é uma dessas pessoas. Paz

Felipe Inácio disse...

Muito bom comentário!
Vou tomar a liberdade de "pegar emprestado" sua postagem e add no blog Apologia e Espiritualidade, ao qual faço parte.
Desde já estamos seguindo o seu blog!

Parabéns!

Abraços!

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.