segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

A condenação eterna decorrerá do pecado, e não da falta de conhecimento

Como professor de escola dominical, deparei, duas vezes, com questionamentos sobre o destino daqueles que jamais ouviram o Evangelho: uma vez foi em Sete Lagoas/MG, no ano de 2006; outra vez foi em Salvador/BA, ontem, em minha congregação.
Percebo certa dificuldade dos irmãos nessa matéria. Imaginam que o pecado consiste basicamente em recusar o convite de Cristo, que "os tempos da ignorância", mencionados por Pedro em seu discurso pós-Pentecoste, seriam os anos em que a pessoa não ouviu falar do Evangelho, e que não haveria como Deus punir os que nunca ouviram falar de Jesus. Todavia, isso não é correto.
Devo afirmar, primeiro, que tomo esse assunto como o da Trindade: não o compreendo, mas não posso negar sua realidade nas Escrituras. É diferente do que penso da doutrina calvinista da predestinação: enquanto para mim ela não é bíblica, os irmãos reformados afirmariam, talvez, que não a aceito por não entender o que na Bíblia está escrito. Porém, eu creio entender o que está escrito, e, mesmo assim, não vejo predestinação da maneira como os calvinistas veem. Assim, eu não aceito a doutrina da predestinação porque não a considero bíblica, diferentemente de não aceitá-la por considerar um absurdo Deus escolher uns em detrimento de outros - embora pense isso também.
Feita essa distinção, basta examinarmos os textos bíblicos, como aquele em que Paulo afirma que os atributos de Deus, o seu eterno poder como a sua divindade  claramente se veem e se compreendem pelas coisas que estão criadas, para sustentar a verdade de que todos, judeus e gentios, são indesculpáveis (leia Romanos, caps. 1 a 4). O Salmo 19 começa dizendo que "os céus manifestam a glória de Deus, e o firmamento anuncia a obra de suas mãos". Isso é a chamada "Revelação Geral", ao alcance de todos, incluindo os pigmeus e os cerca de dez mil índios isolados da Amazônia. Mas essa revelação só é apta para condenar, pois todos estão debaixo do pecado.
Jesus não disse que se em Tiro e Sidom, como também em Sodoma e Gomorra, se fizessem todos os milagres que Ele operou em Betsaida, Corazim e Cafarnaum haveria salvação para aquelas cidades? Ora, o princípio é de que a quem mais é dado mais será cobrado. Mas todos seremos julgados, de uma forma ou de outra.
Se pensássemos que o motivo de condenação dos homens seria a rejeição de Cristo, e que os que nada conhecem não podem ser condenados, bastaria Deus não enviar Cristo e deixar todo mundo sem o conhecimento da Palavra, e assim todos estariam salvos pela...ignorância! Dessa forma, e contraditoriamente, se por um lado é o conhecimento de Cristo que salva o pecador arrependido, seria a ignorância a salvar todos os pecadores, arrependidos ou não!!!
Não pensemos desse jeito, porque não é bíblico. Crer que a condenação só paira sobre os que ouviram e não creram é deixar de lado um dos fundamentos da Fé Cristã, a saber, a doutrina da pecaminosidade universal. O pecado não é apenas atitude, mas condição universal. "Todos pecaram, e destituídos estão da glória de Deus" (Rm 3.23). Quando pecamos, comemos de novo da árvore do conhecimento do bem e do mal, e, por isso, morremos. Somente Cristo pode nos resgatar.
Qual seria, então, a melhor conclusão para esse assunto? A de que é urgente o envio de missionários por todo o mundo. Os pigmeus e os indígenas precisam ouvir sobre Jesus. E muito mais gente...
Que Deus nos ajude.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.