terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Lula descobriu o Brasil e Jaques Wagner libertou a Bahia...

Se Lula descobriu o Brasil em 2003, seu "irmão de fé" Jaques Wagner libertou a Bahia em 2007 - isso é o que se infere da mais nova propaganda do Governo baiano que tem sido veiculada na TV. O narrador vai contando a história de um povo sofrido, vítima da desigualdade social e racial, para depois dizer que se trata dos baianos. Embora tenha nascido na Bahia, não me senti representado na propaganda, e não porque não seja negro ou muito pobre, mas porque não vivo num lugar que foi salvo por Jaques Wagner e seu pessoal.
Outro dia houve um assalto em minha rua, por volta das oito horas da manhã, e a moça tinha apanhado do indivíduo, que roubou seu celular. Quem se sente à vontade para assaltar às oito da manhã numa rua movimentada de um bairro tranquilo faz isso por causa da impunidade ou da dependência de drogas ilícitas, ou das duas coisas. Mas o governador já disse que sua maneira de combater a insegurança pública é dar educação e justiça social... É uma maneira bem esquerdista de resolver as coisas, ou melhor, de não resolver. Se conseguisse usar de competência quanto à educação, ao emprego e à saúde, o governador talvez resolvesse o problema da insegurança daqui a uns 20 anos, pois os bandidos de agora já estão por aí, crescidos e inclinados ao crime.
Quanto às drogas, o governo já sentenciou que crack é "cadeia ou caixão". Pronto. O usuário não tem outra chance, não pode contar com a cooperação estadual se quiser deixar o entorpecente.
Outra coisa que me incomoda na política petista é que nela se vê um sentimento um tanto raivoso, inspirado na ideia de que o caminho para suprimir as desigualdades é acentuá-las. Na realidade, hoje existe uma tendência em torno de políticas discriminatórias, como as cotas raciais, que buscam institucionalizar a falta de isonomia, em vez de ensinar que todos são iguais, e promover transformações sociais e políticas.
Como sou branco, evangélico, heterossexual, conservador e de classe média, acabo me tornando uma minoria jurídica. Mas eu sou baiano porque nasci aqui, e não porque represente algum movimento étnico, religioso ou cultural de raízes baianas. Sou baiano por uma questão de geografia, e não por algum destino histórico ou idiossincrasia cultural.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.