terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Breve reflexão sobre II Jo 4-6

"(4) Fiquei sobremodo alegre em ter encontrado dentre os teus filhos os que andam na verdade, de acordo com o mandamento que recebemos da parte do Pai.
(5) E agora, senhora, peço-te, não como se escrevesse mandamento novo, senão o que tivemos desde o princípio: que nos amemos uns aos outros.
(6) E o amor é este: que andemos segundo os seus mandamentos. Este mandamento, como ouvistes desde o princípio, é que andeis nesse amor".

Na reflexão anterior (e inaugural), vimos que II Jo pode ser dividida em quatro seções. A segunda seção, composta pelos versículos 4 a 6, trata do amor.
Inicialmente, o apóstolo João se mostra "sobremodo alegre" por ter encontrado a igreja andando na verdade. O verbo "andar" é igualmente empregado por João, em sua Primeira Epístola, para se referir a procedimento diário. Andar na verdade é proceder cotidianamente de maneira íntegra.
Essa seção dedica-se ao amor, considerado, não um "mandamento novo", mas aquele mandamento "que tivemos desde o princípio". Também essa linguagem é característica do estilo joanino.
O "princípio" a que João se refere é o período em que Jesus esteve com os apóstolos, e lhes ensinou sobre o amor (Jo 13.34,35). O amor - mandamento, e não sentimento, temperamento ou virtude humana - consiste em andar nos mandamentos do SENHOR. De maneira interessante, João ensina que amar é andar nos mandamentos, e que o mandamento consiste em amar.
Não se trata de um círculo, mas de uma estreita associação e vinculação entre o amor e o mandamento. Logo, entre o amor e a verdade. O fundamento da Palavra de Deus é o amor, e aquele que ama a Deus verdadeiramente guarda a Sua Palavra (cf. Jo 14.21).
Considero da maior relevância que a Bíblia dê tamanha ênfase ao amor como mandamento. Nenhum livro tido como sagrado exorta ao amor (procure exortações semelhantes no Alcorão, por exemplo). Também é digno de nota que a Bíblia não nos ensina a exigir o amor, mas a oferecê-lo.
Vale, ainda, ressaltar a empatia de João para com as suas ovelhas. Ele fica "sobremodo alegre" em razão do testemunho dos irmãos, e expressa esse sentimento. Elogiar e reconhecer as boas atitudes das pessoas deveria ser algo estimulado em nossas igrejas e relações interpessoais.
Um dos traços psicológicos que todo líder de igreja deve ter é a capacidade de se alegrar com os irmãos. Pregar, ensinar e administrar são habilidades necessárias ao líder de igreja, mormente ao pastor, mas pouco adiantarão se o líder se afastar das pessoas.



Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.