sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Será que os neopentecostais seguirão o mesmo curso dos pentecostais?

Num texto que publiquei no site www.ultimato.com.br, no espaço Palavra do leitor, questionei a existência do Pentecostalismo histórico no Brasil, em face da imitação que pregadores pentecostais têm feito de ensinos neopentecostais, dando a impressão de que a mensagem pentecostal se identifica com essas doutrinas.
Um leitor, chamado Daniel Clark, publicou um artigo no mesmo espaço, e, sob o título Neopentecostais: os conservadores de amanhã, pretendeu me alertar sobre o risco de incorrer no mesmo erro de batistas, presbiterianos e outros que, há cerca de cem anos, disseram que o Movimento Pentecostal era coisa do diabo. Disse que, assim como o Pentecostalismo mudou, o Neopentecostalismo mudará.
Trocamos e-mails. Gostei de receber essa contra-proposta da forma como foi suscitada. No entanto, mantenho minha posição, a qual preciso explicar a seguir:
1) Não considero acertado afirmar que neopentecostais e pentecostais sejam tão parecidos assim. Enquanto os pentecostais surgiram pregando que o batismo com o Espírito Santo é uma experiência de dotação de poder, evidenciada pelo falar em línguas, com vistas à evangelização, os neopentecostais pregam uma série de heresias que deixam a centralidade da Cruz e colocam o Ser Humano no centro das atenções. Mesmo sabendo que a doutrina pentecostal, em suas diferentes matizes, ainda provoca muita discussão e polêmica, não há como negar que se trata de uma corrente teológica comprovadamente séria e compromissada com Jesus Cristo.
2) Não é adequado comparar o erro dos batistas ou de quem quer que seja, no passado, com minha atitude ao me posicionar contra os erros doutrinários do Neopentecostalismo. Crentes históricos do início do Séc. XX chocaram-se com as experiências pentecostais e falaram de coisas que não conheciam. Alguns líderes de hoje dizem que as línguas faladas nas igrejas pentecostais não podem ser de Deus. Alguns deles têm verdadeiro pavor de que suas igrejas se "pentecostizem". Muitos falam do ser pentecostal sem saber o que isso quer dizer, reduzindo o movimento ao barulho, à desorganização dos cultos e à irracionalidade no manejo da Bíblia. Não buscam o diálogo, e assim nutrem o preconceito. Eu procuro, com honestidade, escrever sobre o que eles realmente ensinam. Se os históricos erraram no passado, o mea culpa é deles, não é meu.
3) Minha postura frente aos neopentecostais é diferente: afirmo coisas a respeito do que seus próprios líderes propalam, ensinos que estão em suas palestras e livros, em seus vídeos e programas de rádio e TV. Por isso, essas doutrinas e práticas que critico são oficiais, diferentemente de idéias simplórias que a massa pentecostal tinha ou ainda tem quando se trata do povo comum.
Essas poucas linhas talvez ajudem a esclarecer que não acredito que acontecerá com os neopentecostais o que aconteceu com os pentecostais. Na verdade, o caminho foi inverso: os históricos mudaram, e não nós. Com os neopentecostais, se eles mudarem, muda a própria mensagem, porque a base de sua proposta precisa ser revista.
Tudo isso eu escrevo com temor e tremor. Não quero o mal dos irmãos, e é por isso mesmo que procuro dizer aquilo que penso estar errado. Agora, quanto à sensibilidade para com o outro, para com as relações interpessoais, não precisamos mudar a doutrina para chegar a esse patamar. Precisamos apenas seguir o Evangelho.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.