domingo, 13 de dezembro de 2009

Crentes de segunda categoria

Imagine uma igreja em que os crentes são divididos em categorias. Eles não se dividem por questões de cor, classe social ou conhecimento intelectual, o que já seria um apartheid. Mas eles se dividem por uma questão carismática: quem fala em línguas estranhas e quem não fala em línguas estranhas - o que também é um apartheid.
Nessa igreja imaginária, o dom de línguas tem especial importância, sendo elevado acima do dom de profecia, que edifica a todos. A seu turno, o dom de línguas praticado sem interpretação edifica somente o que fala. É uma edificação individual. Por isso, aí está a contradição: o menor de todos os dons é enaltecido como se fora o maior.
Imagine que nessa igreja os irmãos tenham todos os dons do Espírito, mas se ocupem principalmente em buscar o dom de línguas. Nos cultos, esses irmãos falam em línguas desconhecidas, todos a um só tempo, sem que ninguém entenda absolutamente nada. Mas, quem se importa? Desde que todos sejam usados pelo Espírito Santo, está tudo bem.
Nada de interpretação de línguas, nada de profecia, nada de curas, nada de palavra do conhecimento, nada de palavra da sabedoria, nada de fé, nada de maravilhas, nada de discernimento de espíritos. Ah, o discernimento de espíritos é tão importante, e tão raro! Seria ele o termômetro da igreja no exercício dos dons. Mas, à sua falta, a febre das línguas estranhas campeia e adoece a igreja, pois, ausente a profecia, "o povo se corrompe" (Pv 29.18).
Não, as línguas não são ruins em si mesmas, elas são um dom de Deus. Só que, concedidos a nós, os dons precisam ser exercitados com sabedoria. O que deveria ser fervor passa a ser febre. Crentes febris são crentes adoecidos.
Consegue imaginar essa igreja? Tamanho é o emocionalismo que se distorcem pontos doutrinários: em vez de dom, as línguas passam a ser sinal maior de plenitude do Espírito, em detrimento de outros dons e do fruto do Espírito. Falou em línguas, é porque ficou cheio do Espírito. Falou em 1982, e nunca mais, já se considera que foi cheio, e com isso tem o requisito principal para o episcopado e o diaconato, ainda que nunca mais fale em línguas e - pior do que isso - ainda que lhe faltem outros requisitos, como a aptidão mínima para o ensino. Tem outros dons, ensina com maestria, profetiza, cura enfermos, evangeliza, pastoreia, mas nunca falou em línguas - esse, então, é um crente espiritual, mas não tem a conditio sine qua non, e, por isso, não pode ser diácono, não pode ser presbítero, não pode ser pastor - é, em suma, membro de uma subcategoria de crentes.
Alguém dirá: "como falar em línguas?" Os doutos dessa igreja responderão: "Peça a Deus, busque com fé, ore, faça jejuns, nunca desanime". Esquecem que os dons são distribuídos pelo Espírito Santo como Ele quer. E que Paulo nos exorta a buscar os melhores dons, não os menores. A plenitude do Espírito não pode ser medida, e, se o fosse, não seria medida pelo menor de todos os dons.
Mais do que isso: a se estabelecer coisas que o crente deve fazer para falar em línguas, o que se estabelece é um critério de divisão antibíblico dentro da igreja, pois está comprovado pela experiência que nem todos os que buscam falam em línguas. Sendo assim, lhes faltaria alguma coisa: talvez fé, talvez oração, talvez perseverança, talvez emoção suficiente para ir além de uma razão doutrinária.
E agora, consegue imaginar uma igreja assim? Ela existiu, ou pelo menos existiu com a essência do que foi descrito acima: a Igreja de Corinto. Se quiser conhecer esse tema com um pouco de imparcialidade, leia I Co 12-14.

Um comentário:

João Armando disse...

Faltou dizer que nem todas as "línguas" são línguas bona fide. Que muitos buscam e terminam por "falar" seguindo o manual de instruções - ore, busque, depois abra a boca e fale o que vier... o Espírito não abrirá a boca por você, você é que tem de falar etc. Aí o sujeito fala mesmo - os mesmos sons, as mesmas palavras... Passa até a haver um sotaque, se é que possamos dizer assim. Digo tudo isso porque eu mesmo já fiz isso (envergonho-me de o reconhecer, mas fiz). Falei. Na verdade, fui sincero - fui? Nem sei. Falei, quis acreditar que falei, disse aos irmãos que falei, todos se alegraram e pronto. Bem, continuei a falar - mas chegou um tempo em que tive de me deparar com os fatos - se aquela experiência foi real, não me fez bem algum. Não resolveu problemas sérios emocionais que tinha na época, não me tornou um evangelista, continuei com as mesmas dificuldades no evangelismo. Descobri que o que REALMENTE funciona é o bom e antigo estudo regular e sistemático da Palavra. Isso sim, posso testemunhar, mudou radicalmente a minha vida. Não estou dizendo que não creio no dom. Mas digo, por ter vivido a experiência, e por ter convivido com irmãos sinceros mas que labutavam no mesmo erro que eu, que muita falação em línguas é só forçação de barra... Não digo tudo isto, repito, para esfregar na cara de ninguém, para humilhar ou desprezar ninguém. Digo-o porque passei por isso. Havia muito desejo de me identificar com os irmãos e com a igreja. Hoje vejo isso claramente.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.