domingo, 21 de fevereiro de 2010

Crentes coríntios

Na escola dominical da Assembleia de Deus, estamos estudando neste trimestre a Segunda Epístola de Paulo aos Coríntios. Hoje falamos sobre II Co 6.11-7.16.
Uma das coisas que me chamaram a atenção foi a informação, colhida na BÍBLIA ANOTADA, de que o termo grego korintianizomai, que significa "viver como um coríntio", era o mesmo que "praticar fornicação". Vemos, pois, como a prática de relações sexuais ilícitas era ligada à população de Corinto - em pensar que ainda na Primeira Epístola à mesma igreja Paulo dizia que nem mesmo entre os gentios se via o relacionamento de um homem com a mulher de seu pai, algo encontrado entre os crentes coríntios!
Cidade da Acaia (Sul da Grécia), situada num istmo entre os mares Egeu e Adriático, Corinto era um porto marítimo de importância comercial. Seus jogos esportivos, os Jogos Ístmicos, só não eram mais importantes que os Jogos Olímpicos. Lá estava o Templo de Afrodite, com capacidade para 20 mil pessoas. Os habitantes de Corinto eram romanos, gregos e orientais. A mentalidade dos cidadãos era povoada de influências gnósticas, pagãs, filosóficas, e das novidades que os viajantes traziam. Havia relativização dos costumes e aquela dualidade gnóstica entre carne e espírito, fonte de muitos males.
É por isso que Paulo afirma em II Co 7.2 que os coríntios deveriam santificar a carne e o espírito - não se trata da existência de pecados da carne e pecados do espírito, mas da necessidade de entender que tanto a carne quanto o espírito devem estar purificados diante de Deus, e não apenas o espírito, como os gnósticos ensinavam.
Há dois movimentos decorrentes do Gnosticismo: ou o gnóstico lança seu corpo a todo tipo de pecado e descuido, já que a matéria, em sua concepção, é ruim; ou adota o ascetismo, com jejuns prolongados, isolamento social, abstenção do sexo e sacrifícios vários.
No livro O que estão fazendo com a Igreja, o Rev. Augustus Nicodemus Lopes diz, no capítulo A alma católica dos evangélicos no Brasil, que os crentes brasileiros são parecidos com os crentes coríntios quanto ao apego a coisas do passado pagão. Trata-se de conversão a Cristo, mas sem amadurecimento na Fé. Para os coríntios, isso significou o gosto por partidarismos, próprio da filosofia grega; a descrença na ressurreição do corpo, devido ao já citado dualismo gnóstico, e muitas outras coisas antigas que ainda ocupavam os corações daqueles nossos irmãos.
Como temos o que aprender com as Epístolas aos Coríntios! O que dizer do abuso dos dons espirituais, da exaltação de falsos apóstolos, da carnalidade de crentes imaturos? Não há nada disso na Igreja Brasileira?

Referências bibliográficas:

A BÍBLIA ANOTADA. The Ryrie Study Bible/ Texto Bíblico: Versão Almeida, Revista e Atualizada, com introdução, esboço, referências laterais e notas por Charles Caldwell Ryrie. Sã o Paulo: Ed. Mundo Cristão, 1994, 1835pp.


LOPES, Augustus Nicodemus. O que estão fazendo com a Igreja? São Paulo: Mundo Cristão, 2008, 201p).

Um comentário:

João Armando disse...

Já faz alguns meses que terminei de estudar a II epístola aos Coríntios. Eu amo aquela carta. O que me tocou mais nela foi a sinceridade de Paulo, a maneira como ele abriu o coração - e como ele se mostra frágil, quando fala da perplexidade, das lutas, das fraquezas, dos superapóstolos... Muitíssimo atual.
Sim - li, recentemente, o livro "O que estão fazendo com a igreja". Que lucidez! Foi ótimo e muito instrutivo, recomendo a todos.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.