domingo, 14 de fevereiro de 2010

Ministério reativo

Preocupa-me a ideia de que muitos líderes cristãos, blogueiros entre eles, passem a maior parte de seu ministério reagindo a heresias e problemas...
Tudo bem, eu sei que a Teologia de Paulo, encartada em suas Epístolas, não é tão sistemática, mas produzida em resposta a problemas morais, espirituais e doutrinários das igrejas. Como diriam os penalistas, era uma teologia "fragmentária". De toda maneira, ele escreveu mais sistematicamente em Romanos e Gálatas, e eu estou para arriscar que Lucas, seu amigo, escreveu o Evangelho e Atos como que numa sistematização evangélica e histórica dos pensamentos paulinos. No mais, as Epístolas de Paulo fornecem boa doutrina e teologia profunda no contexto da problemática missionária e eclesiástica. Mesmo em sua teologia responsiva, Paulo não deixava de transmitir teologia.
E nós? Temos produzido boa teologia?
Enquanto nos açodamos a tratar de temas internos de nossas igrejas ou de heresias variadas, prossegue doutrinando o pessoal da Teologia da Prosperidade, da Confissão Positiva, do Movimento Judaizante, das seitas gnósticas, da angelolatria, do falso pentecostalismo. Eles criam doutrinas, produzem seus livros e músicas, inventam muitas coisas, e nós muitas vezes vamos estudar o que eles fizeram para depois criticar em nossos espaços, não raro para leitores e ouvintes que já concordam conosco!
É importante criticar comportamentos desviantes, mas há que se ter mais do que reação. Se essas heresias pululam e chamam a atenção do povo, por que isso acontece? Por que as igrejas heréticas são repletas de gente? Por que as igrejas sérias diminuem? Será esse o nosso chamado? Somos "pequenino rebanho" em número também? Temos que nos contentar com isso? É sinal dos tempos sermos profetas no deserto?
Será que a nossa teologia não precisa de uma renovação? Não me refiro a "novas revelações", pois defendo a tradição apostólica. Abomino essa tese de "nova unção", profecias para "esta geração", inovações absurdas. Defendo apenas a Palavra de Deus. Mas, como a Palavra é tão rica e maravilhosa, será que não devemos buscar uma renovação de nossas ideias para fazer novas perguntas, que, depois, demandarão novas respostas?
Já disse neste espaço que gosto de uma teologia que faz perguntas. Sim, precisamos ir além do lugar-comum. Temos o Movimento Pentecostal, temos o Pensamento Reformado, temos o Evangelicalismo, temos a Missão Integral, e de tudo isso podemos extrair coisas valiosíssimas. Entende o que digo?
Não é preciso reinventar a roda, mas examinar o que a Bíblia diz sobre temas polêmicos, importantes ou confusos, como a união civil entre pessoas do mesmo sexo para garantia de direitos, o divórcio e segundo casamento entre cristãos, o tratamento eclesiástico de novas formas familiares (monoparental, por exemplo), os desafios das redes sociais e das novas tecnologias para a pregação cristã, a relação com as demais religiões, os atributos de Deus, a Trindade, a era pré-adâmica (por que não?), a relação do aquecimento global com a Escatologia, e tantas coisas mais.
Se eu estiver errado ou com uma visão parcial da situação, o (a) leitor (a) me corrija. Este texto, como seu autor, não está completo. Aceito sugestões e informações. Este texto não é mais que uma provocação.

Um comentário:

João Armando disse...

"Este texto não é mais que uma provocação" - E que provocação! São tiros para todo lado, é difícil reagir a tudo de uma vez! Não obstante, algumas colocações:
a) A verdadeira pluralidade (não a dos neo-ortodoxos, tão bem denunciada pelo Rev. Augustus Nicodemus em recente livro seu) é bênção. Temos as diversas tradições na igreja, e podemos e devemos enriquecermo-nos uns com os outros. Quem se isola empobrece.
b) A ideia de se especular sobre a era pré-adâmica é interessante porque nos lembra a problemática do tempo. O tempo foi criado por Deus, que é imutável e, portanto, eterno. Perguntar "o que havia ANTES de Deus criar o tempo" mostra que não conseguimos evitar pensar em termos de tempo. Nossas mentes são limitadas. "Antes" é um advérbio de tempo - e, se não havia tempo, não cabe falar em "antes" ou "depois"... seja como for, não há qualquer informação bíblica sobre isso - daí, qualquer discussão sobre isso será mera especulação.
c) Reagir a erros e heresias é necessário. Ser "proativo" (palavra muito na moda) é bom, mas o fato é que, no mundo pós-Queda, os profetas, presbíteros e mestres, até o próprio Jesus, sempre agiram com correção boa parte do tempo. Veja-se o Sermão da Montanha. Há ensino direto, proativo, "positivo" e há muita correção de rumos, de erros, de distorções.
d) Outro fato da vida - são poucos, sim, os que se salvam - nisto eu tenho de discordar de Spurgeon - grande irmão nosso do século IXX - que era pós-milenista e, portanto, bastante otimista. Jesus disse que são poucos os que adentram pela porta estreita e que andam no caminho apertado. Muitos procuram entrar debalde. São muitos os chamados, mas poucos os escolhidos. Isso não é desculpa para ninguém ficar parado e não evangelizar ou não corrigir ou o que for. O evangelho é para todas as nações, e a pregação é para "quem quiser" mas que são poucos os que são salvos, que somos, para usar as palavras de Jesus, um "pequenino rebanho", isso tudo são fatos. Por outro lado, dentro do universo de toda a humanidade, a "santa grei" é composta de milhões e milhões", uma multidão que ninguém pode contar - conforme a visão de João no Apocalipse.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.