quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

O milagre mais curioso da Bíblia

Em II Rs 13.20,21 lemos o seguinte:

"20 Morreu Eliseu, e o sepultaram. Ora, bandos dos moabitas costumavam invadir a terra, à entrada do ano.
21 Sucedeu que, enquanto alguns enterravam um homem, eis que viram um bando; então, lançaram o homem na sepultura de Eliseu; e, logo que o cadáver tocou os ossos de Eliseu, reviveu o homem e se levantou sobre os pés".

Eis uma das passagens bíblicas mais curiosas: um homem é ressuscitado depois de o seu cadáver tocar os ossos do profeta Eliseu. Não há nada igual na Bíblia.
Eliseu, o sucessor de Elias, morreu doente. O texto de II Rs 13.14 começa assim: "Estando Eliseu padecendo da enfermidade de que havia de morrer..." O autor do Livro em nenhum momento escreve uma nota de desaprovação a Deus pelo fato de o grande profeta Eliseu ter morrido por causa de uma doença. Tampouco há tentativa de justificar o ocorrido, como fizeram os amigos de Jó (Elifaz, Bildade e Zofar), que acusaram Jó de estar em pecado ou de não ter uma vida suficientemente reta.
O episódio ocorreu no Séc. IX a.C. Israel vivia sua longa agonia espiritual, liderado que estava por monarcas idólatras e maus. O cenário religioso e político não era bom.
Narra o texto que algumas pessoas foram enterrar um defunto, algo absolutamente normal e corriqueiro. Não consta do texto que eles tenham orado para que o morto ressuscitasse. As circunstâncias eram ordinárias. 
Ao ver os moabitas, porém, aqueles que intentavam sepultar o defunto simplesmente foram embora, o que é compreensível, e lançaram o corpo na sepultura do profeta. Entre cuidar do morto e cuidar dos vivos, preferiram a segunda opção. Creio que faríamos o mesmo.
Todavia, em meio a essas circunstâncias normais, ocorreu o inesperado e extraordinário: o homem ressuscitou quando seu cadáver tocou os ossos de Eliseu.
Qual o sentido dessa passagem?
É interessante como surgem explicações estranhas para certos textos bíblicos. Uma dessas explicações é de que esse milagre foi necessário para compor o total de 14 milagres, dobro do que Elias teria praticado. Assim, segundo essa teoria, estaria satisfeito o pedido de Eliseu quando da iminente ascensão de Elias, pois Eliseu pediu para ter "porção dobrada" do espírito de Elias (cf. II Rs 2.9).
A expressão "porção dobrada" sugere a condição de filho primogênito, que recebia em herança porção maior que a destinada aos outros filhos. O que Eliseu quis foi ser o sucessor de Elias em seu ministério profético, um ministério caracterizado pelas demonstrações de poder e pela autoridade espiritual.
Além disso, por que deveríamos dar como certo que Elias e Eliseu praticaram somente os milagres registrados na Bíblia? O SENHOR Jesus não praticou muitos mais milagres do que os registrados nos Evangelhos, como se depreende de Jo 20.30? Não poderia acontecer algo semelhante com Elias e Eliseu?
Há algumas lições que podemos extrair do texto em comento:
1) Deus pode operar milagres extraordinários em circunstâncias ordinárias - uso propositalmente a expressão "milagres extraordinários", recordando o texto de At 19.11. Milagre já é um fenômeno extraordinário, mas a expressão oferece destaque à grandiosidade da obra do SENHOR sobre a natureza.
2)  Deus opera quando quer, como quer, e em favor de quem Ele quer - não sei se alguém orou pela ressurreição daquele homem, mas o fato é que ele já seria sepultado quando Deus o fez ressurgir dos mortos. E isso aconteceu justamente quando os moabitas adentravam o território israelita, e de maneira espantosa. Não poderia Deus escolher momento melhor do que em meio a uma invasão estrangeira? Não poderia Deus usar um método mais "comum", como quando, séculos depois, o SENHOR Jesus orou ao Pai, mandou tirarem a pedra e disse "Lázaro, vem para fora"? (cf. Jo 11). No caso em tela, não! Deus quis fazer do jeito que fez.
3) o crente pode morrer doente - não acredito que tive de escrever isso! Eliseu morreu vítima de uma doença, mesmo sendo ele um homem que Deus usou para operar milagres.
4)  mesmo depois de mortos, os salvos pertencem ao SENHOR - nenhum crente deveria se preocupar com a maneira pela qual Deus irá ressuscitar os que morreram em Cristo, juntar todos os pedaços e transformar o corpo destruído em corpo glorificado. O SENHOR é poderoso. Se não conseguimos crer nisso, creremos em que?

 
 





Um comentário:

João Armando disse...

Gostei da postagem. Nunca havia pensado na "porção dobrada" como ligada ao conceito de primogenitura. Valeu! Continue seu trabalho. Eu cá vou sempre lendo, ainda que nem sempre comente.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.