sábado, 4 de janeiro de 2014

POR QUE DEVO ME PREOCUPAR COM AS PREGAÇÕES RUINS? (2) - Pregadores que usam o nome de Deus em vão


Prosseguindo com a série sobre por que motivo devo me preocupar com pregações ruins, tratemos agora do uso do nome de Deus de modo frívolo ou mentiroso.
O Terceiro Mandamento, que proíbe o uso do nome do SENHOR em vão, consta de Ex 20.7 e Dt 5.11, com uma variante em Lv 19.12.
Diz o texto de Ex 20.7:

"7 Não tomarás o nome do SENHOR, teu Deus, em vão, porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão".

Já o texto correlato de Lv 19.12 traz o seguinte:

"12 nem jurareis falso pelo meu nome, pois profanaríeis o nome do vosso Deus. Eu sou o SENHOR".

Depois do exílio babilônico, os judeus adotaram uma interpretação literal do Terceiro Mandamento, e passaram a não pronunciar o nome de Deus, que, em razão de Ex 3.14, eles consideravam ser YAHVÉH (EU SOU). 
Com o passar do tempo, perdeu-se a pronúncia correta do nome de Deus, pois o texto hebraico não registrava vogais. Somente na Idade Média, muitos séculos depois de Cristo, os judeus massoretas vocalizaram o Texto Sagrado, mas, ao deparar com o tetragrama YHWH, adicionaram as vogais das palavras hebraicas Adonai e Elohim, que significam, respectivamente, "Senhor" e "Deus". Com isso surgiu o nome Yehová ou Jeová*.
Será que tomar o nome de Deus em vão é simplesmente pronunciá-lo, como pensaram os judeus? Conquanto o Judaísmo tenha demonstrado grande temor e reverência, sua interpretação literal não capta o melhor do Terceiro Mandamento. 
Tomar o nome do SENHOR em vão não é citar o nome de Deus em situações comuns da vida, embora cada um de nós deva ter cuidado para não usar de frivolidade em nossas palavras. Cada um deve fazer a sua reflexão sobre como usa o nome de Deus, sobre a maneira como se dirige a Deus, sobre a maneira como se refere a Deus.
O Terceiro Mandamento é, todavia, ainda mais profundo: quando um pregador baseia sua prédica em coisas que Deus não disse ou não vai fazer, está usando o nome do SENHOR em vão.
Os Dez Mandamentos têm, sim, aplicação para a Igreja, em seu sentido espiritual, moral e principiológico*.  Como se pode considerar normal que um pregador fale que Jesus disse o que Jesus não disse? Como se pode considerar aceitável que um pregador pronuncie irreverentemente o nome de Deus como se estivesse se referindo a qualquer pessoa?
O nome na cultura hebraica tinha grande valor e significado. O nome de Deus está relacionado a Seu caráter e Seus propósitos.
Foi por isso que Moisés perguntou o nome de Deus (Ex 3.13), e foi também por isso que o anjo disse a Maria que o nome do menino que iria nascer pelo Espírito seria JESUS, já que Ele salvaria o Seu povo dos seus pecados (Mt 1.21).
O múltiplo nome do Messias é apresentado em Is 9.6: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.
O nome do SENHOR é "santo e tremendo" (Sl 111.9; Lc 1.49); "glorioso e terrível" (Dt 28.58; Is 63.14).
Jesus manifestou e deu a conhecer a Seus discípulos o nome de Deus Pai (Jo 17.6,26). Vê-se, pois, que o nome de Deus se confunde com o Evangelho.
Longe de usar o nome do SENHOR em vão, deve-se orar "Santificado seja o teu nome" (Mt 6.9).
Orar em nome de Jesus é orar de acordo com a vontade do SENHOR, submetendo a própria vontade aos Seus desígnios, e pedindo aquilo que esteja em consonância com o caráter divino (cf. Jo 14.13,14).
Temos dito o suficiente para que fique clara a necessidade de pregarmos reverentemente em nome do SENHOR?
Que Deus use de sua infinita misericórdia em nosso favor.

*O próprio mandamento da guarda do sábado (Ex 20.8-11) tem em si o princípio da administração do tempo e da priorização das coisas de Deus, embora não deva ser tomado em sua acepção literal para a Igreja - porque, entre outras coisas, o sétimo dia tinha feições cerimoniais não aplicáveis ao Novo Testamento. Mas este é outro assunto.


 

Um comentário:

João Armando disse...

Recentemente fomos ao culto numa outra igreja, da qual gostamos. Naquele domingo foi convidado para pregar um conhecido pastor que é bastante ativo na obra, apesar de sua avançada idade. Pode-se dizer que 80% da pregação dele foi correta, mas lá pelas tantas expôs suas ideias pessoais... Lembro-me que foram duas cavalices teológicas, mas agora só me lembro de uma delas. Segundo ele, era mesmo para Adão e Eva comerem da árvore do conhecimento do bem e do mal (!!!!!) - o pecado é que eles se "adiantaram", ou seja, não era aquela a ocasião! Obviamente que ele não pôde citar qualquer texto bíblico para substanciar essa crença. Eu ia mesmo confrontá-lo depois do culto, mas ele saiu antes pois ainda ia pregar noutra igreja. Bem, conversei com minha esposa e filhos e corrigi o erro. Aliás, minha filha de 15 anos já havia achado aquilo tudo muito estranho. Depois postei um comentário no Facebook e, para minha surpresa, duas ou três pessoas daquela igreja leram o comentário e concordaram. Não está tudo perdido.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.