quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

O índio e os direitos humanos

Tenho um problema com os antropólogos e outros "cientistas" que se acham no direito de proteger com exclusividade os direitos indígenas, afastando outras formas de ver o problema. Parecem querer que o índio fique eternamente numa vitrine, para que nós, os não-índios, possamos ter um alívio e dizer: "Oh, como nós preservamos a sua cultura".
O fato é que nem sempre o índio quer manter costumes de sua tribo e etnia, às vezes ele quer mesmo viver como um cidadão brasileiro comum, ou compartilhar os dois mundos. Creio que esse é um direito dele. O que não pode acontecer é obrigar o índio a ser e agir de um modo enquanto ele pretende ser e agir livremente.
Preservar a cultura indígena não pode significar o seu abandono à falta de proteção em termos de direitos humanos, diteitos fundamentais da pessoa.
No ano passado, vi no Fantástico (TV Globo) que existe um grupo indígena em que as adolescentes ficam separadas da comunidade desde a primeira mestruação. Elas ficam dentro de uma oca sem poder sair de jeito nenhum, com o cabelo crescendo sem controle, só podendo ver o mundo por uma fresta. As grávidas ficam também reclusas por um bom tempo. Todas as mulheres passam por isso. O argumento é que elas estão sendo protegidas de espíritos maus, mas a verdade é que essa é uma medida de proteção contra a proliferação descontrolada da prole.
Sabe-se que aqui em Mato Grosso do Sul os índios vivem mal, muitas crianças morrem de fome, desnutridas. E os índios ficam esperando uma migalha do Governo, na forma de cestas básicas. Eles acham um absurdo que o Governo não forneça as cestas com freqüência, e reivindicam isso como um direito absoluto.
Li em algum lugar que a violência sexual é mais comum entre as comunidades indígenas do que em outros arraiais. Não haveria algo errado?
Creio que podemos discutir isso com maior profundidade. Uma coisa é a cultura de um povo. Outra coisa, bem diferente, é o abuso dos direitos inerentes à natureza humana, especialmente num País que possui uma legislação tão boa em termos de proteção de diteitos humanos, e que partilha dos pactos internacionais nesse sentido.
Mais uma palavra: não sou contra os índios. Na verdade, é por ser ser defensor que faço essa reflexão.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.