quinta-feira, 21 de agosto de 2008

A necessária arte de discordar*

Por mais que os poderosos governantes não gostem, discordar é preciso. Eu sei que murmuração é pecado, que rebeldia é pecado, e que o mero "criticismo" não ajuda em nada. Mas não estou me referindo a nenhuma dessas coisas! Refiro-me à diferença de idéias num sistema, comunidade ou instituição.
Nenhuma instituição se renova quando escolhe estabelecer um pensamento único, um "partido único". Ela pode até permanecer por anos e séculos a fio, mas nunca será uma instituição renovada.
Discordar com critério e fundamento é como um óleo que lubrifica o motor. Quem governa ou exerce o poder de alguma forma precisa valorizar opiniões divergentes, mesmo que estejam erradas. É necessário esse arejamento, a fim de que as coisas funcionem, amadureçam e melhorem.
Os ditadores são inseguros. Têm dúvidas sobre suas idéias inseguras, e por isso as impõem aos outros.
Fico triste quando leio na Internet comentários de leitores que defendem tenazmente o Governo, mesmo quando este erra vergonhosamente, por incompetência ou má-fé. Eu não sei se sempre foi assim, mas me parece que nos Governos anteriores as pessoas eram mais críticas das ações e pecados governamentais. Agora até me ocorre a impressão de que determinados partidos aparelham os sites de jornais e blogs de jornalismo político com o intuito de inserir comentários de leitores otimistas com o Presidente da República. Isso me asusta. Será que o Governo é tão bom assim?
Penso nos jovens que não são capazes de se indignar. Creio que uma juventude abestalhada é a pior coisa que um País pode sofrer, pois seu futuro lhe está entregue. E essa juventude se abestalha em drogas, bebidas, sexo descompromissado, analfabetismo político, canções vazias, desrespeito aos pais, falta de disciplina e desonestidade. Com uma juventude dessas, quem ainda acha que o Brasil é o País do futuro?
Penso também nos crentes que não são capazes de se indignar, talvez por causa de uma teologia que desequilibra as virtudes, exortando a uma subserviência que nada tem que ver com humildade, paciência ou mansidão. A respeito disso, vale consultar o "site" http://www.cppc.org.br/, em que há um artigo muito interessante intitulado Neurose Cristã Induzida. Pelo que entendi, o autor chama a atenção para um tipo de neurose provocada em pessoas normais ante a pregação que se faz nas igrejas cristãs, em sua interpretação errônea de admoestações do Evangelho.
Eu mesmo sou um indignado por natureza, e tento me expressar da melhor maneira possível, especialmente neste blog, que é um de meus refúgios. Outro refúgio é minha própria casa, onde minha esposa e eu filosofamos e resolvemos todos os problemas do mundo enquanto lanchamos na cozinha. Ela tem os mesmos valores que eu, e considera legítima a minha indignação.
O desafio para quem exerce a arte de discordar é múltiplo:
a) avaliar se as críticas refletem uma preocupação real ou se são fruto de motivações outras, como a soberba, a emulação e o espírito crítico;
b) manter a integridade entre o falar e o agir;
c) admitir que pode estar errado;
d) aceitar, ele mesmo, as críticas que virão;
e) fazer algo positivo na vida, em vez de tão-somente apontar o erro dos outros;
f) tomar conhecimento do assunto antes de emitir opiniões;
g) estar seguro de que suas declarações partiram de reflexão, até para que possa sustentá-las no momento oportuno. Afinal, pessoas como nós de vez em quando são chamadas a dar explicações...
O texto mencionado é o seguinte: NEUROSE CRISTÃ INDUZIDA: Um exame dos Paradoxos Pragmáticos e da fé cristã. Induced Christian neurosis- An examination of pragmatic paradoxes and the Christian faith.By: Watson, P.J.; Cohen, E.J.; Folbrecht, J. Tradutor: Adami A. Gabriel,Psicólogo Clínico. O leitor clica em Textos e publicações, e depois clica em Artigos. O artigo estará em ordem alfabética. Vale a pena ler.
* Também publiquei esse texto no "site" www.ultimato.com.br.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.