quarta-feira, 26 de maio de 2010

Compromisso, prioridade e urgência

Em Lc 9.57-62, Jesus, a caminho de Jerusalém, onde seria morto - cumprindo as Escrituras -, conversa com três homens, que, diante da missão no Reino de Deus, se mostram inadequados para o serviço. Vejamos:
(1) A precipitação. Este caso lembra-me as declarações açodadas do apóstolo Pedro. O homem disse a Jesus que O seguiria por onde quer que fosse. Jesus, porém, lhe mostrou as dificuldades do ministério cristão, dizendo que, se as aves do céu têm ninhos e as raposas, covis, o Filho do Homem não tem sequer onde reclinar a cabeça. Dito de outro modo, é preciso calcular os custos. Tem-se aqui o valor do compromisso.
(2) A inversão de prioridades. A este segundo homem Jesus convoca ao ministério, mas ele quer primeiro sepultar seu pai. Jesus lhe disse para deixar que os mortos (espiritualmente) sepultem seus mortos (fisicamente). O trocadilho indica, não a proibição a frequentar o sepultamento dos pais, mas a necessidade de enxergar a missão cristã como prioritária. O pai daquele homem não havia morrido naquele dia, mas ele achou que deveria esperar a morte do pai para só então começar a trabalhar para Cristo. É uma questão de verificar prioridades.
(3) O desconhecimento da urgência. O terceiro homem deseja seguir a Cristo em Sua missão, mas acha que deve ir primeiro se despedir de seus pais. Ele não entendeu que as coisas no Reino de Deus exigem rapidez. Jesus não é contrário às relações familiares, isso é lógico, pois foi Deus Quem criou a família. Todavia, Jesus disse àquele discípulo que aquele que olha para trás depois de colocar a mão no arado não é apto para o Seu Reino. É verdade: quem trabalha com arado não pode olhar para outra direção, pois corre o risco de ver os sulcos ficarem tortos. É questão de urgência.
Vivemos um período em que muitos seguem a Cristo aparentemente. Não Lhe reconhecem o devido compromisso, prioridade e urgência. Depois de todas as coisas, pensam em Cristo. São religiosas, ativistas, emocionadas, imediatistas, mas Cristo não é Sua razão de viver.

Um comentário:

João Armando disse...

O texto não o diz, mas é bem possível que o pai daquele que queria primeiro sepultá-lo não estivesse doente ou já morto. É bem provável que estivesse ainda saudável, ou seja, o sujeito queria esperar que o pai envelhecesse, adoecesse e morresse - e fosse sepultado, para então seguir a Jesus. Mas ainda que o pai já estivesse morto, se Jesus chamou, era para ter ido de imediato.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.