segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Desculpe: sou imperfeito

Você aprendeu a me admirar, mas esqueceu os meus defeitos. Achou que eu estava numa vitrine, intocável, insuspeito. Tendo visto meu nome na Galeria da Fé, logo imaginou que eu era santo demais, justo demais, forte demais. Mas não sou, não.
Você sabe que me chamam de Pai da Fé. Mas não se esqueça de que o importante mesmo é que essa fé apareça em você, como dom de Deus. Eu não acreditei em Deus porque fosse uma pessoa boa, mas porque conheci Aquele que me fazia as promessas. Eu cri nas promessas do SENHOR, não cultivei nada de pensamento positivo. Apenas cri nAquele que falava comigo, e saí de minha terra. A iniciativa foi toda d'Ele. Agora, por que Ele escolheu a mim, não me pergunte...
Eu era rico, sabe? Tinha de tudo que se possa imaginar em termos materiais. Mas o SENHOR me chamou para fora do meu mundo. Saí para uma terra desconhecida, e no percurso cometi muitos erros...
Deus me prometera um filho, mas, como eu era velho e minha esposa, velha e estéril, entendemos que Deus estaria se referindo a um filho por adoção legal. Então, arranjamos um jeito - como me custa lembrar! - de termos um filho por meios jurídicos, a fim de garantir o cumprimento da promessa. E estávamos enganados. Até um acordo de casal pode estar redondamente errado. Nosso filho nasceria depois por um milagre de Deus. Como fui incrédulo.
Por duas vezes seguidas, e de modo semelhante, cometi uma meia-verdade, que é outro nome para mentira completa: disse a dois homens poderosos que minha esposa era só minha irmã, e isso porque tinha medo de que me matassem por causa dela. Sim, fiz isso duas vezes! E me arrependi. Estava equivocado, e Deus só me ajudou por Sua misericórdia.
Deus confirmou Suas promessas, e não falou uma vez só, não. Ele conversava comigo, sempre tomando a iniciativa. O que eu fazia era cultuar ao Seu Nome, agradecer por Sua bondade. A graça divina me alcançou lá no paganismo. Eu mesmo nada tinha a oferecer ao SENHOR.
Certo dia, Deus me pediu aquele que eu mais amava, o meu único filho amado, o filho da promessa. E eu, naquele momento, por graça de Deus, tive fé. Entendi que Deus poderia ressuscitar meu filhinho. Entendi que meu relacionamento com Deus podia me dar essa esperança. Eu sabia que meu SENHOR provê todas as coisas necessárias. Mas isso, lembre bem, não veio de mim - não sou daqueles que se gabam de suas conquistas. Tudo o que tive, em todos os sentidos, proveio das promessas generosas do SENHOR.
Eu não inventei a fé. Eu não disse jamais que a fé é pensar positivamente e barganhar com Deus. Quando eu dei o dízimo ao Sacerdote do Deus Altíssimo, eu não estava esperando uma recompensa, uma coisa em troca. Eu entreguei o dízimo assim como entreguei minha vida. Nada posso dar a Deus em retribuição pelas vitórias obtidas em Sua presença. Não é com dinheiro e bens que alguém poderá agradar ao meu SENHOR. Não consigo pensar assim.
Sei que tem gente boba citando meu nome como se fosse um super-homem, que teve uma fé mágica, com super-poderes, com objetivos mesquinhos de ganhar dinheiro e bens. Dizem por aí que fiquei rico porque usei uma atitude mental "positiva". Se me conhecessem de fato, se passassem por mim, nem me cumprimentariam, porque achariam estranha a minha figura. Sou um homem trabalhador, simples e crente em Deus.
Desculpe se te decepcionei. Não tenho nada de explosivo para dizer no final deste texto.
Assinado: Abraão.
* Crônica baseada na História de Abraão, contada no Livro de Gênesis (11.26-25) e referida no Novo Testamento tanto por Jesus, nos Evangelhos (Mt 3.9; Lc 16.22; Jo 8.58), como pelo apóstolo Paulo nas Cartas aos Romanos (cap. 4) e aos Gálatas (3.6-1), bem como pelo autor anônimo de Hebreus (11.8-12) e por Tiago (2.21-24).

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.