sábado, 25 de outubro de 2008

Mais uma mudança e suas conseqüentes reflexões

A casa está como eu mesmo: desarrumada, cheia de caixas vazias para colocar coisas que mais uma vez tomarão novo rumo. Bahia, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Bahia de novo. São muitas mudanças em pouco tempo, em pouca vida, em poucos anos.
Amizades que se constroem e que se despedem. Contatos que deverão permanecer, enquanto outros ficarão na memória esquecida de minha mente limitada.
Não conheci o Pantanal, não fui a Bonito, quase não saí de Campo Grande. Mas há quem eu leve no coração, isso eu sei. Pessoas valem muito mais do que lugares. Quer gostar de um lugar? Goste de pessoas do lugar.
As três décadas que tenho não me ensinaram a não chorar na partida, mas me ensinaram a entender que não existe chão que, ao ser pisado, fique inerte. Todo chão deixa o seu ensino e as cores do seu cotidiano.
Menos de dois anos já foram capazes de criar relacionamentos que, espero, sejam duradouros. Conheci cristãos firmes na Fé, com os quais partilhei dúvidas, temores, problemas, alegrias, críticas, aprendizado. Também conheci crentes que professam uma fé materialista, que pensam em semear dinheiro para colher mais dinheiro ainda. Reconheci que o consumismo campograndense adentra às igrejas, agora com a roupagem "teológica" da Confissão Positiva.
Não posso negar: amo pessoas que aqui conheci. Professores, colegas do curso teológico, alguns pastores, colegas do meu trabalho, meus superiores. Acertei e errei, mas tenho certeza de que, em Cristo, apesar de meus erros e limitações, devo ter deixado a marca de quem foi salvo por Cristo. Espero ter deixado a marca de um homem íntegro, um homem de caráter regenerado, embora pecador.
Tenho a necessidade de mostrar que um cristão não precisa vender seus princípios para ser benquisto em sua igreja. Aliás, se eu sofrer oposições, como sofri, que seja pela Causa de Cristo. Não devo me importar se os homens não me ordenam a cargos importantes, se meu nome não é lembrado, se meus supostos talentos ficam adormecidos porque tenho certos embates com alguns que se mantém aferrados ao poder. Se eu tiver pregado o Evangelho, se eu tiver mantido meus princípios mais caros, entenderei que valeu a pena perder tudo aquilo que os homens gostariam de me dar, depois de tanto me arrancar.
As aulas na classe Melquisedeque e nas outras classes por onde passei - como esquecer?
As aulas que assisti na FATHEL - como esquecer?
As discussões (acaloradas ou não) na mesma Faculdade - como esquecer?
As palavras de apoio e incentivo de irmãos em Cristo, que, com seu abraço carinhoso e olhar sincero, muito me animaram a continuar nessa jornada que tantas vezes parece solitária.
Não posso esquecer de professores-pastores que vieram à minha casa conversar, aconselhar, orar, pastorear.
Não posso esquecer que em Campo Grande comecei a realizar o sonho de estudar Teologia, apesar de que, por ora, terei que estancar o curso...
Não posso esquecer de que foi aqui em Campo Grande que entendi mais um pouco sobre o meu chamado, embora haja tantas obscuridades em minha vocação (não que Deus seja obscuro, mas eu, quem sabe, inseguro).
Foi aqui que comecei a escrever num blog.
Foi aqui que desenvolvi um pensamento teológico, ainda que elementar.
Foi aqui que Elisa aprendeu a falar, e que um rebento foi concebido.
Aqui na terra morena, na terra do tereré, na terra da mandioca amarelinha, na terra do erre puxado, na terra do povo introspectivo, na terra dos muitos quartéis, na terra meio paulista, na terra também nipônica, na terra de árabes, gaúchos, sei lá. Aqui eu não tive como não aprender.
Este texto poderia ser mais longo, como longa é a saudade que já se avizinha do meu coração. Mas estranha é essa coisa de saudade: por mais que faça chorar, a saudade só existe no coração de quem consegue transformar vida em amor.







4 comentários:

Roger disse...

Muito bonito e emocionate, Alex,
Deus abençoe a vossa saída e vossa entrada para todo sempre, amém!

Roger

MamaNunes disse...

Que bom poder ter saudades assim... Você está bem vivo mano!!!
Boas viagens..
Vim te conhecer por indicação da Alice, sábia irmãzinha!!!!
Abraçoa e felicidades!

André disse...

Saudades... Êêê saudades... Não da para expressar em palavras o sentimento que aperta os corações e fazem os olhos se encherem de lágrimas. Tivemos muitos momentos bons meu amigo e irmão em Cristo, aprendi muito com essa convivência contigo, mas assim são os que são guiados pelo Espírito não é mesmo? Não sabem de onde vem nem para onde vão... Força!!!

Pr. Miguel disse...

Aléx, sei que está chegando na Bahia, creio que já chegou e está aguardando a mudança etc,foi bom o período que nos conhecemos,embora poucos, mais para bem seu e e sua família, digo que vá.
Nosso povo"batisbléia" um pouco batista outro assembléia, nós deixamos a desejar na recepção, porém na despedida ai sim começamos nos aproximar. Entendo ser um defeito que vai levar muito tempo para corrigir.Quanto a questão de ministério, entendo que mesmo assim somos diferentes de outros estados, quer seja do norte, nordeste ou sul sempre colocamos as pessoas de fora no processo de espera e conforme não se dá oportunidade. Tem lugar fora de MS que põe no banco de reserva até três anos.Nossos líderes muitas vezes ficam com medo de quem tem luz própira e não coloca nem no banco de reserva, deixa a ver navios.
Outro dia um amigo que teve uma oportunidade para dar uma palavra na igreja(setor) este presbítero já congrega nesta igreja nada menos que 8 anos.Este oficial reclamou que seu líder ainda não sabre o seu endereço.Eu por convite deste, estive algumas horas falando de assuntos da Bíblia, juntamento com o casal, onde a esposa é carismática. Não estou triste em não estar na ativa, ainda continuo no banco de reserva, com mais uns dias quem é detentor do Poder clérico pode tir o banco e ai o que vou fazer? este amigo fez uma sugestão ao líder mandatário(rei, papa)para que fosse colocado trabalho para quem está na reserva não remunerada, não obteve respostas.
Abraços, sucesso ai na BA.Não é uma reclamação é um relato, muitos não tem coragem de dizer nada, tem medo de perder o pouco que ainda resta.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.