quarta-feira, 29 de outubro de 2008

491 anos da Reforma Protestante

O dia 31 de outubro é importante para o mundo genuinamente cristão, mas creio que aqui no Brasil somente os presbiterianos, luteranos e irmãos de outras igrejas reformadas chegam a comemorar a contento essa data marcante. Eu, um pentecostal histórico do tipo pretendente a "bereano", aprendi a admirar o pensamento teológico dos meus irmãos presbiterianos, e muito disso se deve certamente ao meu período de ABU (Aliança Bíblica Universitária) em Viçosa-MG, e ao meu contato com a revista Ultimato.
É certo que, em termos de uma sociologia da religião, os pentecostais parecem estar no "evangelicalismo", enquanto outros grupos, como os batistas, dizem que vieram antes da Reforma, que já existiam antes de Martinho Lutero cravar suas 95 Teses na porta da Capela da Universidade de Wittemberg. E efetivamente houve, antes de Lutero, homens que divergiram da Igreja de Roma.
Mas, de um modo geral, todo o pensamento cristão ortodoxo que conheço se abebera da Reforma, e todo cristão que se pretende maduro na Fé admite os Cinco Solas: Sola Gratia, Sola Fides, Sola Scriptura, Solus Christus, Soli Deo gloria (só a graça, só a fé, só a Escritura, só Cristo e glória somente a Deus).
Ressalvadas as questões da doutrina calvinista da predestinação (graça irresistível, chamamento eficaz etc.) e os resquícios romanistas que se vêem na obra de Lutero, todos nós cristãos não-católicos deveríamos nos sentir protestantes, porque tanto a doutrina da Salvação como toda a perspectiva da Bíblia como Palavra de Deus inerrante, definitiva e infalível veio a ser assentada pelo labor teológico dos reformados. Assim, sendo nós evangélicos, e, dentro desse espectro, sendo batistas, congregacionais ou pentecostais, além de tantos outros grupos que se queiram ortodoxos, todos nós somos herdeiros teológicos da Reforma.
Por falar em "ortodoxos", lembro que existe a Igreja Ortodoxa Grega, e todas aquelas tradições cristãs orientais das quais não tenho conhecimento, mas que antecedem a Reforma em séculos. Apesar disso, ninguém pode esquecer o quanto a Reforma produziu de benefícios para o mundo cristão, principalmente no que toca ao reconhecimento da autoridade das Sagradas Escrituras, enquanto o Romanismo depredou séculos e séculos (da Idade das Trevas) sob o tacão da ignorância e do poderio régio-papal.
O inconformismo recomendado por Paulo em Rm 12.2 é um ingrediente do crente não apenas reformado, mas transformado. E entendo que, mais do que movimento explicado por motivações políticas, culturais, sociais ou econômicas, a Reforma Protestante foi um verdadeiro avivamento, que, como tal, partiu da Escritura Sagrada, e a ela se voltou. E isso não anula nem afasta os precedentes históricos nem as conseqüências políticas, econômicas, culturais e nacionais que a Reforma engendrou.
Este é meu jeito de dizer que também comemoro o dia 31 de outubro, quando, agora em 2008, a Reforma comemora 491 anos!

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.