quarta-feira, 15 de outubro de 2008

O gravíssimo erro de Marta Suplicy

Era pequeno quando a psicóloga Marta Suplicy falava no programa TV Mulher sobre sexualidade. Eu não sabia do que ela falava, pois era criança, mas lembro alguma coisa do programa matutino, como a música de abertura e outros lances meio apagados em minha memória distante.
A sexóloga Marta Suplicy celebrizou-se por defender temas polêmicos - e anti-bíblicos - como a união civil de homossexuais e a tal "diversidade" sexual. Assim ela foi eleita deputada federal, e depois prefeita da maior e mais rica cidade do País - São Paulo -, quando veio a se divorciar do respeitado senador Eduardo Suplicy, cujo nome ela ainda carrega.
Ora, leio e ouço alguns comentaristas políticos dizendo que Marta Suplicy venceu o preconceito e teve coragem de romper o casamento e ficar com o argentino Luis Favre, o que seria, dizem, um ato de coragem, frente ao risco político diante da sociedade civil. Entretanto, esses mesmos comentaristas se assustam, e com grande razão, com a atitude da campanha de Marta Suplicy ao questionar maldosamente se o prefeito Gilberto Kassab é casado e se tem filhos...A indagação foi claramente uma tentativa de dizer que Kassab seria homossexual, o que até mesmo homossexuais do PT reconheceram como um gesto "homofóbico".
Que coisa, não? A senhora da diversidade sexual, a paladina da liberação dos costumes, deixa que veiculem em seu programa eleitoral um ataque gratuito à privacidade do adversário, com insinuação sobre sua sexualidade, quando ela mesma diz achar normal que pessoas do mesmo sexo formem união civil, sendo ela, diga-se de passagem, a autora de um projeto de lei nesse sentido, mas que não foi aprovado - ao menos ainda.
Esse erro da Sra. Marta Suplicy foi gravíssimo porque intentou criar uma dúvida sem fundamento sobre a esfera privada do adversário, e foi mais grave ainda porque proveio dela, o que mostra como as pessoas podem transigir com seus valores (ou desvalores?) morais com o uso de métodos pragmáticos, em tempos de declínio nas pesquisas de intenção de voto.
Até considero que a vida privada do candidato deva ser analisada na medida em que isso possa repercutir na vida pública. Como diz a cientista política Lúcia Hippólito, da Rádio CBN, é importante saber se o candidato bate na mulher, se bebe, se suas empresas vão à falência, se ele se beneficia erroneamente do dinheiro público etc.
Penso que a opção sexual do candidato poderia entrar na pauta eleitoral se o objetivo fosse dialogar com aqueles setores sociais que, a exemplo dos evangélicos, discordam da Causa Gay. Sim, isso seria razoável para que o eleitor tivesse a oportunidade de pensar se escolheria como seu representante político uma pessoa homossexual, pois, para esse eleitor, esse aspecto teria a ver com a ética pessoal, com a moralidade. Mas o que pretendo frisar aqui é que esse não foi o objetivo da Sra. Marta Suplicy - o que ela quis foi tomar votos aos eleitores que ainda preservam valores familiares tradicionais, algo que ela há muito tempo não defende, dada a maneira como construiu sua vida pública.
Tudo isso é muito incoerente, e deve relembrar a todos nós o que Fernando Collor fez a Lula em 1989, no episódio Miriam Cordeiro...Será que os petistas não aprendem nem com os erros dos outros?

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.