terça-feira, 7 de outubro de 2008

O que os triunfalistas diriam de Cristo

Já faz um dia que ele morreu. Toda aquela história de Filho de Deus caiu por terra. Em pensar que eu acreditei quando vi os milagres, quando ouvi suas promessas, quando meu coração se estremeceu diante da sua figura e das suas palavras. É. Ele tinha uma boa oratória, e até gestos poderosos, mas não venceu como disse que venceria. Tudo não passou de truques e enganos.
Cara, ele disse que tinha vencido o mundo! Disse tantas coisas dignas de um rei, de um herói, de um vencedor, para acabar justamente daquele jeito, pendurado numa cruz! Não posso acreditar. É derrota demais para quem disse ser o Enviado de Deus, para quem prometia salvar a pátria.
Eu mesmo vi quando ele desfalecia no madeiro, que é a pior condenação que pode existir. Ele estava desfigurado, feio, totalmente desacreditado, como qualquer criminoso e pecador, como qualquer derrotado e fraco. E em vez de estar ladeado por príncipes, quem estava ao seu lado eram dois imprestáveis ladrões!
Eu conheço a Lei, os Profetas e os Escritos Sagrados. Sei que o Messias virá como Rei, como Senhor, e que Seu Reino será eterno. Ele será imbatível, invencível, glorioso, e estabelecerá para sempre o Reino de Israel, restaurando o governo à linhagem de Davi. Será um líder político, um libertador, um legítimo descendente de Davi, um homem poderoso em tudo e por tudo.
Não sei como fui me misturar àqueles pobres seguidores do Nazareno. Que erro cometi ao me reunir com o Pedro falastrão e com aquele bando de pobres coitados! Também não sei como foi que o Mateus se envolveu com aquele povo. Mateus era cobrador de impostos, não precisava se aliar a pobretões. Da mesma forma não entendo o que levou o doutor Nicodemos a se ligar ao Nazareno. Muito menos entendo como o senador José de Arimatéia decidiu dar seu jazigo novinho para aquele defunto que antes prometia vida plena. Ah, e lá estavam ainda os dois filhos de Zebedeu, que, pelo que sei, estavam se dando bem na empresa de pesca. Por que seguir um fracassado? Como foi que nos metemos nessa?
Aqueles galileus quase deram trabalho. O único judeu de verdade era o Judas Iscariotes, mas agora não sei por onde anda. Deve ter se dado bem com o dinheiro arrecadado das multidões que seguiam o Nazareno. Afinal, Judas era o tesoureiro. Que decepção eu tenho de não ter sido o tesoureiro...Pelo menos daria melhor destino àquela "dinheirama" toda. Poderia juntar o dinheiro para colaborar com o futuro Messias que virá com sua grande obra...
O homem morreu e tudo se acabou. Os fariseus e saduceus é que estão com a razão: temos que usufruir o favor dos romanos, enquanto preparamos o contra-ataque. Acaso não foi Herodes que reformou o Templo em Jerusalém? Que eu saiba, o Nazareno não colocou uma pedra sequer naquele Templo. Está vendo? Muito discurso, nenhum resultado. Todas as suas ovelhas estão agora desgarradas, espalhadas nos montes e sem pastor. Já os fariseus e saduceus, embora com suas divergências doutrinárias, continuam prosperando, porque sabem que o mais importante é o resultado, o que dá certo, o que atrai o povo. Se ficassem defendendo pontos de doutrina, acabariam como Jesus, crucificados numa cruz ao lado de ladrões.
Eu não quero isso. Nasci para vencer, sou filho do Rei, sou campeão, tenho um herói dentro de mim, tipo assim, um deus. Vou prosperar, vou ser rico também, vou liderar um grupo importante aqui em Jerusalém, e meu nome será conhecido. Prometo a mim mesmo nunca mais me envolver com promessas vazias, que não funcionam. Eu quero mesmo é quebrar paradigmas...

2 comentários:

Roger disse...

Agora que li seu texto na Ultimato.

Fantástico!!

Você tem mesmo talento, brother.

Um saudoso abraço,

Roger

Alex Esteves da Rocha Sousa disse...

Muito obrigado, Roger.
Você tem me incentivado a prosseguir escrevendo.
Alex.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.