segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Jesus investiu em pessoas

Construir templos, criar estruturas de poder, arrecadar dinheiro - isso as igrejas têm feito, principalmente aquelas que são geridas para crescer. Os pastores estabelecem projetos de crescimento, transmitem sua "visão" aos membros e ao "ministério", fixam metas, objetivos e estratégias. A diferença para uma empresa é que as igrejas não visam ao lucro. Bem, a maioria delas não visa ao lucro.
Sei que um grupo social organizado precisa de certas instituições, sendo ele mesmo uma instituição. A própria legislação exige que o uso do dinheiro seja controlado, que os trabalhadores e prestadores de serviço sejam remunerados, e isso demanda alguma organização financeira e administrativa. Todavia, a igreja não deve ser administrada tendo em vista objetivos corporativos ou meramente institucionais, pois o nosso SENHOR investiu em pessoas, não em estruturas.
De fato, lendo os Evangelhos, veremos que Jesus Cristo preferiu separar doze homens para o apostolado, estar com eles, discipulá-los, treinando-os para o prosseguimento de Sua Obra. Esses homens simples, e, em sua maioria, iletrados, foram treinados e enviados a pregar, ensinar, expulsar demônios, curar enfermos, estabelecer a doutrina cristã.
Jesus investiu em grupos de pessoas, e em pessoas em particular. Conversou com o corrupto Zaquel, com o intelectual Nicodemus, com a mulher samaritana, com a mulher siro-fenícia. Preparou e enviou 70 missionários a pregar o Evangelho do Reino em Israel. Operou milagres entre pessoas, não diante de auditórios suntuosos. Procurou as sinagogas e o Templo, mas para ensinar, não para "se mostrar". Jesus teve em torno de Si homens e mulheres que O auxiliavam até mesmo com seus bens, mas não há absolutamente nenhuma passagem que indique uma campanha apelativa de arrecadação de fundos para a aquisição ou construção de estruturas físicas. A prioridade de Jesus são as pessoas.
Não é errado construir templos! Mas há que se ter prioridades. Qual a nossa missão: "vestir a camisa" da instituição ou fazer discípulos? Construir carreiras ministeriais ou apascentar ovelhas? Seguir piamente o roteiro denominacional ou cumprir a Grande Comissão?
Lamento muito a pobreza alojada no pensamento de encher templos com chamarizes fantásticos, enquanto o número de pessoas serve apenas para denotar o sucesso da igreja e fazer uma boa fotografia. Vale mais o que se está ensinando no púlpito, o teor da pregação, o compromisso com a Palavra de Deus, a qualidade do culto ao SENHOR. Discipulado, infelizmente, tem sido mais um departamento burocrático de muitas igrejas, em que o pessoal recém-convertido vai aprender alguma coisa da Bíblia e da denominação, para depois seguir a classes outras da escola bíblica, não raro esperando o dia especial da ordenação ministerial, a partir do qual farão parte do clero.
Não nos esqueçamos: Jesus investiu em pessoas. A Salvação não se dirige a estruturas sociais, políticas, físicas ou econômicas, mas à estrutura humana, espírito, alma, corpo, o Ser Humano total. Jesus pretende estabelecer um diálogo aberto com a pessoa humana, sem a intermediação das construções físicas ou institucionais de que tanto gostamos.

Um comentário:

João Armando disse...

Muito bom texto - conteúdo e português (como bom descendente de lusos, não podia deixar de comentar isso!)

Já percebeu como Jesus descreveu a principal necessidade da Obra? Ele não disse (como dizem muitos líderes hodiernos) "Rogai ao Senhor da seara que envie RECURSOS à sua seara" mas "que envie TRABALHADORES". Pessoas. Oração e pessoas, obreiros. Dinheiro? Alguém já ouviu de Paulo pedindo dinheiro? Sim, fê-lo em 1 Co 8, mas não para ele e sim para os crentes pobres da Judeia. É como se a igreja, a ter prioridades corretas, o dinheiro e tudo mais viria por acréscimo.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.