quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Nenhuma biografia pode ser perfeita

Com o título "Nenhuma biografia pode ser perfeita", não me refiro à capacidade do biógrafo, mas à vida do biografado. Todos somos pecadores (Rm 3.23). A Bíblia relata pecados cometidos e limitações sofridas por homens como Abraão, Jacó, Moisés, Aarão, Sansão, Jefté, Gideão, Davi, Salomão, Elias, Ezequias, Paulo, Pedro e Barnabé. Até Daniel, cuja conduta parece ilibada e não tem registros desabonadores, com certeza pecou, porque não há quem não peque. Se repararmos, por exemplo, na vida de José, um rapaz tão justo, veremos que ele instilava sentimentos ruins em seus irmãos, contando ao seu pai os erros por eles praticados, quando o melhor seria dar conselhos, conversar com eles, e ser mais prudente para não se expor.
Pertenço a uma denominação centenária que, por isso mesmo, tem seus pioneiros a menos de um século de distância. São homens como Daniel Berg, Gunnar Vingren, Joel Carlson, Nils Katsberg, Otto Nelson, Eurico Bergsten, Paulo Leivas Macalão, José Pimentel de Carvalho, Anselmo Silvestre, Túlio Barros Ferreira, Cícero Canuto de Lima, Alcebíades Vasconcelos, Rodrigo Santana, Aristóteles Bispo, Euclides Arlindo e muitos outros. Esses nomes percorrem a história das Assembleias de Deus no Brasil e se misturam à origem e ao desenvolvimento do Movimento Pentecostal por aqui. São lembrados com muita honra por todos aqueles que apreciam o Pentecostalismo Histórico - e não essa gama de besteiras que se propalam como se fosse pentecostalismo, como se fosse coisa da Assembleia de Deus histórica.
Mas é bom atinarmos para o fato de que esses homens - alguns deles ainda vivos - não foram ou não são perfeitos. E, sabendo disso, qualquer biografia que os coloque num pedestal de heroísmo exagerado não pode ser tomada senão como fruto de grande admiração, quando não há outro sentimento a motivar a biografia.
Certa vez, em Campo Grande/MS, conversando num jantar com o Pastor Key Iuassa, da Igreja Holiness, ele me disse que, na década de 1960, ao fazer uma pesquisa na Escola de Sociologia e Política da USP, teve a oportunidade de entrevistar Daniel Berg. Perguntei, entusiasmado: "Como ele era"? Ao perceber minha euforia, o pastor respondeu: "Era um homem gordo e desajeitado. Nós não temos essa coisa com os nossos líderes".
Boa resposta. Entendi o recado.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.