sábado, 3 de abril de 2010

As barricadas de Judas

Ia eu com a minha esposa para uma livraria no bairro da Liberdade, aqui em Salvador/BA, quando erramos o caminho - coisa que costumo fazer - e deparamos com a complexidade do bairro de Massaranduba. Mas o que nos chamou a atenção foram o que chamaria de "barricadas de Judas".
Primeiro, vimos umas crianças tentando impedir nossa passagem com alguns paus. Um deles batia na janela do carro e dizia: "Só passa com dinheiro". Não entendemos. Foram, ao todo, seis barricadas erguidas por crianças pobres, algumas com paus, outras com colchões. Numa delas, entendemos o motivo das barreiras: "Tio, arruma um dinheiro para o Judas". Assim, o pretexto para a obtenção de dinheiro era a malhação de Judas, no chamado "Sábado de Aleluia".
Ficamos preocupados. Confesso que buzinei, chateado, quando vi que o motorista da frente parou para conversar com um dos meninos. Depois, para minha tristeza, tive que mostrar que queria passar, andando devagar com o carro, até que uma menininha saísse e nos deixasse seguir. Eu sei, eram apenas crianças...
Logo pensamos nos pais: por que deixam que seus filhos fiquem nas ruas, impedindo a passagem dos carros em troca de dinheiro? O cenário era o de um Iraque ou Haiti. Alguém já disse que a pobreza é igual em todo lugar.
Aquela situação não manifestava nenhum traço cultural ou folclórico, mas a expressão da condição aviltante a que nossa sociedade arroja as nossas crianças, a nossa gente.
Salvador, como toda metrópole brasileira, é farta em contradições sociais. Aqui, temos, na verdade, duas cidades, a dos ricos e a dos pobres. Isso é muito claro. A cidade que os turistas conhecem (Barra, Campo Grande etc.) é mais complexa do que isso, e não demonstra quão desigual é a nossa querida Salvador.
Ver aquelas pequenas barricadas não foi bom. Crianças não foram feitas para impedir passagem de carros pedindo dinheiro. Crianças foram feitas para conhecer Jesus.
É por essas e outras que não concordo com a teologia da prosperidade nem com as pregações sensacionalistas e autocentradas. Precisamos ver e ouvir o povo, entrar nas favelas, nas veias da cidade, nas casas alquebradas. O Evangelho só se recebe quando é exposto num nível pessoal. Jesus não teorizava ao longe, mas atravessava as cidades.
Uma teologia da cidade tem que pensar grande. Missões urbanas não se fazem dentro dos templos. Missões urbanas - que coisa óbvia! - se fazem nas ruas.

Um comentário:

João Armando disse...

Aquelas crianças estão aprendendo desde cedo a EXTORQUIR. Há poucos dias assisti reportagem mostrando como os "flanelinhas" extorquem motoristas nos pontos turísticos do Rio de Janeiro, "cobrando" até R$20,00 para "permitir" que estacionem na via pública, dá qual não são donos, do contrário podem riscar os carros ou fazer coisas piores. E a esquerda, ao ver essas coisas, parte para cima da população que paga seus impostos e que trabalha - gritando que "É um problema social, não de polícia", que passam fome etc. E depois se queixam que os turistas evitam o Rio (eu mesmo nem pensar em passar alguns dias lá). As crianças de Massaranduba em Salvador vão aprendendo, na escola da rua,e, ao serem promovidas, com o passar dos anos, passam para as "séries" seguintes, quais sejam, agir como flanelinhas e depois como bandidos mesmo. Lembro aqui o primeiro mandamento do decálogo da esquerda: "não punirás o malfeitor".

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.