quinta-feira, 1 de abril de 2010

O que será dos que não ouviram a Palavra de Deus?

Recebi o e-mail de um irmão internauta chamado Darcy Goulart, nos seguintes termos:

"Lendo os seus blogs, geralmente me identifico com as suas posições teológicas e até com outros assuntos, às vezes. Felicito-o, não meramente pela identificação, mas porque acho que a Igreja de Cristo precisa de servos de Deus que exponham com clareza a sã doutrina.
Se for possível, bem que gostaria de, um dia desses, ouvir a sua opinião sobre o seguinte:

Pensando em Sócrates, Platão e Aristóteles, homens que viveram entre 400 e 300 a.C., sou levado a pensar em milhões (não tão ilustres) que também não tiveram a chance de conhecer Jesus Cristo e seu evangelho.

Também em nossos dias existem os que não ouviram pregadores do evangelho.

Sei que o julgamento de Deus é de instância realmente muito superior, mas às vezes ousamos algumas reflexões a respeito. Como ficarão as multidões que não tiveram alguma oportunidade? Há discussões por aí, inclusive a APMB* na publicação ?O Que Será Dos Que Nunca Ouviram??(Edições Vida Nova).
Não posso esquecer de Atos 17:30: ?Deus, não levando em conta o tempo da ignorância...?. O ?não levando em conta? o que significou para aqueles?
DAG, em 01 de abril de 2010".

O questionamento de Darcy é um dos mais importantes da teologia, a meu ver. De início, podemos afirmar que o fato de existirem milhões ou bilhões de pessoas sem acesso ao Nome de Jesus deve ser motivo suficiente para um impulso à obra missionária transcultural. O Islamismo é, sem dúvida, nosso maior desafio, pois ele toma de assalto nações e impõe a fé em Alá e em seu "profeta" Maomé. Não é por convencimento, mas pela espada, pela força. E isso dificulta em grande medida o avanço do Evangelho em muitos países.
Um ponto aqui é fundamental: o pecado universal não reside em não se ter ouvido falar de Jesus, mas em viver como se Deus não existisse, apesar da Revelação Geral - pelas coisas que foram criadas - e que manifesta a glória e as virtudes do SENHOR. Todos são pecadores, todos se extraviaram, todos se distanciaram de Deus, todos escolheram o fruto proibido, todos carregam a pecaminosidade adâmica, todos cometem pecados porque são pecadores - e não o contrário: ser pecadores porque cometem pecados.
De certo modo, é como se estivéssemos predestinados ao inferno e Deus, por meio de Seu Filho Jesus Cristo, houvesse interrompido o fluxo que leva do pecado à morte eterna. Não creio na predestinação calvinista, mas, uma vez sendo seres humanos, todos somos condenados ao inferno, até que Jesus manifeste Sua providência e por Sua graça nos salve. Pela fé, em arrependimento de pecados, somos alcançados por Deus em Cristo. Adão é um nome coletivo. Em Adão, todos nós pecamos. Há uma solidariedade nisso, uma comunhão entre Adão e a Humanidade.
Textos especiais para esse tema são os que seguem:
Sl 19.1 - "Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das Suas mãos". Esta é a Revelação Geral, diferente da Revelação Especial (Hb 1.1-4).
Sl 14 e 53 - "não há quem faça o bem", "todos se extraviaram". A pecaminosidade é universal, uma condição da "raça humana".
Rm 1.18-6 - de maneira clara, Paulo ensina que todos os homens, judeus e gentios, são "indesculpáveis". O que eles fizeram para receberem culpa? Desprezaram o conhecimento natural de Deus. Em suma, é isso. Perversões sexuais acabaram acontecendo como espécie de juízo divino, pois Deus entregou a Humanidade a seus próprios instintos, e assim todos ficaram sem freios, indo até onde quisessem. Não posso deixar de citar a Queda, quando Adão e Eva preferiram comer da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal (Árvore Ética) e, com isso, mostraram seu desejo de emancipação, de independência em relação a Deus. Quando pecamos - e todos pecam - reproduzimos esse desejo de vivermos as nossas próprias escolhas éticas. Esse é um fato comprovado pela experiência universal.
Antes de passarmos ao exame daqueles que nunca ouviram sobre Jesus, precisamos admitir, sem nenhuma vacilação, que todos igualmente pecaram e estão destituídos da glória de Deus (Rm 3.23 e 6.23), e merecem a morte eterna, como Adão e Eva, que pecaram e se separaram de Deus. Se não entendermos o pecado como sendo um erro gravíssimo de nossa escolha pessoal, não poderemos admitir que pessoas não-evangelizadas sejam condenadas ao inferno. Elas merecem o inferno porque inferno é ausência de Deus, e, então, ir para o inferno sem Deus é explicado logicamente, assim como ir ao encontro de Deus tendo o Espírito de Cristo em nosso ser.
Todavia, haverá distinção no julgamento, e cada um receberá a condenação na medida do seu conhecimento de Cristo. A quem mais for dado mais será cobrado. Em Mt 11.20-24 e Lc 10.13-15, Jesus deixa isso muito claro: as cidades de Tiro e Sidom serão alvo de pena menor que as cidades de Corazim e Betsaida, assim como Sodoma em relação a Cafarnaum. Por que isso ocorrerá? Porque Tiro, Sidom e Sodoma, embora terríveis, não testemunharam os milagres realizados por Jesus em Cafarnaum, Betsaida e Corazim. E Jesus chega a afirmar que aquelas cidades pecadoras seriam salvas se houvessem presenciado os milagres! Mesmo assim, sofrerão algum rigor, mesmo que menor. Isso decorre do pecado universal.
A mesma lição se depreende de Tg 3.1, em que o irmão do SENHOR ensina que os mestres sofrerão "mais duro juízo". Isso ocorrerá porque tiveram maiores chances. Deus não é injusto.
Façamos um raciocínio hipotético: se admitíssemos que os não-evangelizados são inocentes por não terem ouvido falar de Jesus, seria melhor Jesus não ter vindo ao mundo. Assim, não seria preciso evangelizar, e, não evangelizando, ninguém que ficasse de fora iria ao inferno. Mas esse raciocínio é falho porque, como eu disse no início, o pecado universal não é deixar de atentar para a Palavra de Deus, mas deixar de reconhecer a Deus como SENHOR.
Quanto a At 17.30, a afirmação de que Deus não leva em conta os tempos da ignorância significa que Ele oferece possibilidade de perdão a ponto de apagar todos os males e tornar justificado o pecador.
Não é um tema fácil, mas, pelo que entendo do que está escrito, essas são, em resumo, as balizas nas quais podemos estar com firmeza, sem especulações. De resto, é evangelizar e abreviar a volta de Jesus.

Nota: APMB é Associação dos Professores de Missões no Brasil.



Um comentário:

João Armando disse...

Os ímpios não são condenados por nunca terem ouvido o evangelho, mas por serem ímpios, por serem pecadores impenitentes. "Se, pois,não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis" - isso foi dito ao povo hebreu por Jesus, quanto mais não valerá para os gentios.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.