quarta-feira, 31 de março de 2010

A diferença que faz o bom discurso

Assisti a pequenos trechos dos discursos de Dilma Rousseff e José Serra neste dia de desincompatibilização dos cargos. Mesmo assim, deu para ver um aspecto com muita clareza: ainda que José Serra não seja um manancial de simpatia e carisma, ele fala muito melhor que Dilma. Muito melhor.
Sem dizer expressamente que é candidato, José Serra o disse de outra maneira: falou em "nova etapa" e no Brasil. Criticou indiretamente o Governo Lula, que convive tranquilamente com a desonra. Foi incisivo, assertivo. Demonstrou que, embora tenha o semblante carregado e o perfil de "rolo compressor" da política, pode fazer diferença na campanha devido à boa oratória.
Certo dia, assistindo a um excelente programa do repórter Kennedy Alencar no site da Rede TV!, vi a entrevista com o senador pernambucano Sérgio Guerra, que é presidente do PSDB. Ele disse uma coisa interessante, mais ou menos assim: "Tasso [Jereissati], depois de ouvir o discurso da Dilma [na Semana da Mulher, no Senado] me disse: 'Eu estava preocupado com o Serra, não estou mais'". E o próprio senador Sérgio Guerra emendou: "Porque, cá para nós, a Dilma é muito ruim".
A Sra. Dilma Rousseff não tem nenhum carisma. É uma tecnocrata egressa da luta armada brasileira. Jamais disputou uma eleição e não sabe fazer discursos. Suas falas são recheadas de números, de power points, como aquelas aulas chatas na Universidade. Ela não discursa; dá palestras e prestação de contas. Um líder precisa falar bem. Nisso o seu mentor Lula, que não gosta do bom português, é mestre: ele sabe falar com as massas - embora eu não goste do seu estilo de oratória. Mas ele sabe, sim, falar com o povo. Dilma, não.
Bem por isso, entendo quando analistas dizem que a campanha pode mudar tudo. É nos debates que se testa o candidato. Já pensou se a Sra. Dilma responder aos adversários ou jornalistas com um sonoro "meu filho?", como costuma fazer com os que lhe fazem perguntas que a irritam?
A voz atribulada de Dilma Rousseff não combina com o pedido de votos. Não quero ser intimidado a votar em alguém. Quero ser convencido.
Dos quatro pré-candidatos mais importantes, Ciro Gomes é, sem dúvida, o que fala melhor. Inteligente, abre a boca e as palavras vão saindo em profusão.
Todavia, não temos, nem de longe, um Barack Obama. E faz falta, viu? Faz falta aquele político que sabe conscientizar, convencer, fazer boa política, falar ao coração do povo sem mentir. A oratória não deve ser desprezada. As pessoas gostam de ouvir boas palavras, que reflitam a realidade e as intenções verdadeiras. As pessoas precisam de um líder que tenha carisma e caráter.
Infelizmente, caráter não se tem visto com fartura na praça, e até no carisma quem passa passa raspando.

Um comentário:

João Armando disse...

Não concordo que o Ciro fale bem. Pode até falar melhor do que a Dilma, mas tem um sério defeito - é desbocado, tem descontrole emocional. É muito fácil tirá-lo do sério, e os adversários sabem disso. A coisa é tal que até foi cogitado ser lançado candidato exatamente por isso - para fazer o papel sujo de falar mal dos outros, de bater, de agredir, poupando a Dilma dessa tarefa suja. Ele faria uma candidatura de mentirinha, sem falar mal dela, falando mal do Serra e de qualquer outro que seriamente ameaçasse o PT. Ela sairia como a boazinha na história, numa tentativa de repetir 2002 - quando se viu o "Lulinha paz e amor".

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.