terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Modismos passam. A Palavra de Deus permanece.

A Igreja brasileira gosta de uns modismos.
Estamos na época da "determinação", das "declarações", do "decretar", do "rejeitar", do "tomar posse".
Estamos na época da "vitória".
Estamos na época em que profetizar passou a ter outro significado, como proferir palavras de bênção ao bel-prazer, para que o desejo se torne realidade.
Estamos na época dos apóstolos, profetas, missionários e bispos auto-promovidos.
Estamos na época dos chamados "atos proféticos", em que indivíduos de imaginação fértil retiram coisas do Antigo Testamento e aplicam aos dias atuais sem nenhuma fundamentação teológica.
Estamos na época do apego a símbolos de Israel.
Estamos, enfim, na época da Confissão Positiva, do Triunfalismo, da Teologia da Prosperidade.
Houve a época dos dentes de ouro aparecendo nas bocas dos crentes. Houve a época em que o negócio era simplesmente cair no chão.
Houve muitos outros modismos. A Igreja brasileira gosta deles.
A moda sempre traz algo diferente para seduzir as pessoas. Mas ela é tão efêmera quando sedutora. Do mesmo jeito que aparece, vai embora, para ceder espaço a outra novidade.
Quando lembro da expressão "ventos de doutrina" (Ef 4.14), usada por Paulo, vem à minha mente esse fenômeno da moda evangélica. O vento da moda sopra, abala fundamentos frágeis, e depois segue seu curso errante. Só que ela atinge os meninos, os infantis na Fé. Paulo deixou claro nesse mesmo texto que não devemos ser meninos, pois eles é que são "agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro" (idem).
Curiosamente, a experiência tem ensinado que as pessoas aprendem mais o errado do que o certo, e têm muita dificuldade em se desapegar das coisas erradas, fraudulentas, toscas. Quanto às coisas certas, idôneas, sólidas, as pessoas custam aprender.
Inspiradas pela moda doutrinária, as pessoas passam a ficar confusas, sem saber discernir entre o que é proveitoso e o que é para jogar fora.
Quanto à Palavra de Deus, ela permanece para sempre (Mc 13.31). A Palavra de Deus fornece o verdadeiro alicerce às nossas vidas, a fim de que fiquemos firmes em meio às intempéries, que certamente virão. Se nossa casa estiver bem fundamentada, como sobre a rocha, os ventos de doutrina jamais nos abalarão (ver Mt 7.24-27).
Que o SENHOR nos ajude a edificar as nossas casas sobre a rocha, e não sobre a areia.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.