sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Debate entre Obama e McCain

No primeiro debate presidencial, os senadores Barack Obama e Jonh McCain deveriam falar somente de política externa e segurança nacional, mas o moderador Jim Lehrer já começou propondo o tema da grande crise financeira. De fato, não poderia ser diferente.
John McCain disse que vai cortar gastos e diminuir impostos, mas não admite reduzir gastos em defesa nacional. Defende a exploração petrolífera e a energia nuclear. Disse que vai eliminar gastos desnecessários, e que Obama, como senador, votou diversas vezes para aumentar gastos. Quer se descolar de George W. Bush.
Barack Obama disse que vai reduzir impostos para 95% dos americanos, melhorar a vida das pessoas de classe média, estabelecer um plano de saúde, adotar energias alternativas, como biocombustíveis e a energia eólica. Disse que McCain deseja se afastar de Bush, mas que o apoiou em 90% das vezes.
O moderador Jim Lehrer insistiu na pergunta de como a atual crise financeira vai afetar o futuro governo. Depois, mudando de assunto, questionou os presidenciáveis acerca das lições da Guerra do Iraque.
McCain vê o Irã como inimigo. Para ele, é preciso continuar essa política de Bush em termos de prevenção contra países que poderiam apoiar terroristas.
Tenho a impressão de que McCain, beligerante que é, atacou muito o seu oponente, fazendo com que Obama tivesse que se explicar sobre votações a favor de aumentos de gastos, por exemplo, e por não ter ido ao Iraque por 900 dias.
Parece que, embora seja considerado excelente orador, Obama se perde um pouco no debate. Ele fica se explicando, se defendendo, e, quando tenta atacar, McCain logo contra-ataca.
Não sei se foi uma gafe, mas, segurando uma caneta, McCain disse que como presidente teria essa caneta para cortar gastos, e emendou dizendo que a caneta era antiga. Ora, ele já é antigo (73 anos), e deveria passar a idéia de não continuar as políticas antigas do Bush. Entretanto, não deve achar fácil se desligar da imagem de velho, de retrato do continuismo, do conservadorismo, por mais que suas idéias muitas vezes tenham se afastado do Partido Republicano, tornando-o reconhecido por sua relativa independência.
Bom, não sou comentarista político, apenas escrevo enquanto ouço a transmissão da GloboNews, com tradução simultânea. Creio que devemos acompanhar esses passos da política americana, porque isso atinge o mundo inteiro.

Um comentário:

Roger disse...

Olha Alex,

também assisti o debate hoje. 3 da madruga.

Vou copiar aqui um trecho da análise da BBC que gostei. Pois deixando o blablá da campanha política(pois assuntos de finanças e política externa, no fundo serão tratados pelos respectivos especialistas da área) , o que me impressionou foi o que o comentarista destacou:

"Os dois candidatos também demonstraram contrastes em relação à maneira com que trataram um ao outro e se apresentaram no palco.

Obama se referiu ao republicano pelo primeiro nome em praticamente todos os momentos, tanto para dizer: ''Eu condordo com John'', como para apontar uma suposta inverdade dita pelo rival: ''Isso não é verdade, John''.

Já McCain só se referiu ao democrata como ''senador Obama'' e, diferentemente do rival, parecia evitar olhar o opositor nos olhos.

A despeito das várias críticas lançadas contra McCain, Obama dosou a agressividade em seus ataques e, por vezes, usou um tom até afável contra o rival.

O republicano foi bem mais seco e fez questão de contrastar o seu longo histórico no Congresso com a suposta inexperiência do rival."

Temos que ser realistas Obama não se preocupa com fachadas, coisa que para uma geração ultrapassada e poderosa é o sentido da vida.

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.