segunda-feira, 15 de setembro de 2008

O campo é grande

Lembro bem de quando cheguei a Campo Grande. Viajei um dia inteiro de ônibus. Quando vi a rodoviária, tomei um susto. Esperava coisa melhor para uma capital. Só quem conhece a rodoviária daqui entende a que me refiro. Tanto é verdade que o Dênis, que me hospedou, disse de imediato: "Não tome Campo Grande pela rodoviária"!
É. Estava eu com minha bagagem, telefonei para o Dênis e ele veio com seu pai, o Pr. Castilho. Vieram me buscar, e o primeiro lugar que visitei foi a Igreja Holiness. Não me esquecerei jamais.
Aqui cheguei todo entusiasmado com o novo cargo público. Saí da condição de escrevente judicial no interior de Minas para ser Analista Processual na capital de Mato Grosso do Sul, e num órgão federal - uma nova realidade, uma nova vida.
De funcionário estadual a funcionário federal. De um cargo de nível médio para um cargo de nível superior, que poderia contar tempo de atividade jurídica nos concursos jurídicos de Magistratura e Ministério Público.
Cheguei no dia 31 de dezembro de 2006, e graças a Deus pude ser hospedado por uns 20 dias na casa de uma bela família conhecida do meu concunhado. De pronto, fui ao culto de final de ano na Igreja Holiness. Participei do culto e depois do jantar na casa dessas pessoas tão abençoadas, onde passamos de 2006 para 2007. Como o meu concunhado é pastor dessa denominação, que tem em Campo Grande uma de suas igrejas, não foi difícil encontrar uma casa para me hospedar enquanto eu acabava de chegar.
Minha esposa e filha chegaram uns 20 dias depois, e fomos residir por quase um ano numa casa pequenina bem no centro. Saímos de lá e viemos a esta casa bem maior, para abrigar não só a nós como aos pais da Miriam, pois meu sogro teve um Acidente Vascular Cerebral em 23 de agosto de 2007.
Adaptei-me ao local de trabalho, Deus nos ajudou em tudo. Arranjei amigos, grandes amigos.
Mudamos de vida. Tudo melhorou. Nos primeiros meses minha esposa notou a diferença, eu estava mais feliz. Uma das primeiras coisas que fiz foi me matricular numa faculdade de Teologia, que ficava bem pertinho de casa. Eram uns dez ou quinze minutos andando para o serviço, e depois uns cinco minutos do serviço à faculdade. Eu estava realizando o sonho de estudar para ser bacharel em Teologia, algo que eu não pudera fazer antes por não ter condições financeiras. Mas desde 2002 eu vinha estudando sozinho.
Fui-me realizando no curso de Teologia, e descobri que esse é o meu mundo. Obtive grandes amigos dentre os professores, gestores e alunos. Aprendi com eles. Tenho aprendido muito.
Temos congregado desde então na sede estadual da Assembléia de Deus, que fica perto da casa onde residimos agora. Logo passei a dar aulas nas classes, conforme designado pelo Superintendente da Escola Dominical, e depois assumi uma classe mista, a Melquisedeque. Deus nos abençoou grandemente, a turma é muito boa, dá gosto observar o crescimento dos irmãos.
Foi em Campo Grande que Elisa se desenvolveu muito. Foi para a escolinha, aprendeu algumas cores e formas geométricas, começou a falar mais. Também foi aqui em Campo Grande que a Miriam concebeu o novo bebê, que está para chegar.
Foi aqui em Campo Grande que comprei meu primeiro carro, e foi aqui também que eu risquei ou amassei esse carro várias vezes, dando um merecido lucro ao funileiro.
Foi aqui em Campo Grande que eu fiquei chateado muitas vezes ao ver que o Triunfalismo e a Teologia da Prosperidade não são problemas exclusivos de Minas nem da Bahia. Isso é um câncer que grassa pelos rincões do meu querido Brasil. O povo evangélico tem sofrido muito.
É certo que não temos participado ativamente da Igreja, e Deus sabe de todas as coisas. Ele sabe mesmo.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.