quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Dos projetos de igreja

Qual deve ser o projeto de uma igreja? Como uma igreja deve se organizar, e o que deve buscar? Seria a igreja como uma empresa, estabelecendo metas e estratégias para ganhar tantas pessoas para Cristo, batizá-las, e construir tantos e quantos prédios? É isso o que se deve querer?
E mais: a igreja deve trabalhar com marketing empresarial como se tudo dependesse de princípios administrativos, como se o aspecto espiritual não contasse?
Nesse tipo de projeto, qual a medida das metas financeiras? E como se deve fazer para que a busca pelo dinheiro não passe a ser um problema moral, social e espiritual dentro do grupo?
Precisamos entender que a Igreja é uma instituição divina, assim como a família, o trabalho e a sociedade civil. Ainda que formada por homens e mulheres, todos pecadores, a Igreja foi edificada por Cristo, sendo Ele o Seu fundamento único (Mt 16.18). Bem por isso, é equivocado criar projetos que não se coadunem com o projeto de Cristo. E, diferentemente da família, do trabalho e da sociedade civil, a Igreja é instituição soteriológica, ou seja, corresponde ao plano de Salvação da Humanidade, concebido por Deus.
O projeto de uma igreja precisa estar de acordo com a Bíblia: a Igreja existe para a adoração, a comunhão e a evangelização. Pronto. Nada há de novo, e nada a acrescentar.
Se alguém quiser falar de ensino e discipulado, estes itens podem se ajustar sob a epígrafe da comunhão, pois a Igreja, que adora a Deus e anuncia a Cristo, vive em comunhão para crescer espiritualmente - isso só se dá pelo ensino e pelo discipulado, que, por sua vez, estão associados às ordenanças do batismo e da Ceia - enquanto o batismo é para o ingresso dos salvos na comunidade cristã, a Ceia representa a comunhão dos santos em torno da Cruz, o que não deixa de ser um método de ensino, de discipulado.
De qualquer maneira, o projeto da Igreja não vai muito além desses requisitos fundamentais - adoração, comunhão e evangelização.
No entanto, tem gente querendo reinventar a roda. Pode observar: o G-12 tem seu slogan: ganhar, consolidar, capacitar e enviar. São os passos que, segundo seus mestres, irão determinar o crescimento espantoso da Igreja em Células "no modelo dos 12". Também Rick Warren, talentoso em divulgar em livros seus o que a Bíblia já dizia, divide o ministério da Igreja em adoração, comunhão, discipulado, serviço e missões, mas acrescenta uma série de ensinos pragmáticos, bem ao estilo americano, no sentido de atrair as pessoas, ser mais "sensível" aos interessados, mais atraente aos circunstantes.
De fato, fala-se hoje de igrejas com propósitos, como se a Igreja de Cristo já não tivesse propósitos há dois mil anos, ou, para ser mais bíblico, antes da fundação do mundo. Fala-se de visões e "moveres", estratégias para "conquistar" cidades, regiões e o planeta! Fala-se de mega-templos, mega-cruzadas, mega-shows gospel, mega-contas bancárias, mega-investimentos em "missões". Fala-se em inserções ousadas na mídia, na política, enfim, trava-se a batalha da ocupação de espaços.
E eu pergunto: alguém perguntou a Deus se esse é o projeto d'Ele?
Ora, o que vejo é a ambição de homens e mulheres que se autopromovem a apóstolos, bispos, missionários, e arrogam para si a última revelação de Deus para a última hora dos últimos dias, para conquistar o Brasil, para fazer do País uma "Nação evangélica"...Isso não cheira a messianismo, não?
Tem muita gente escrevendo projetos por aí. Eles pensam em igrejas que crescem, têm admiração profunda por igrejas de sucesso, mesmo que esse sucesso esteja associado a heresias.
Quem planeja coisas para a igreja e não se preocupa em saber qual o pensamento de Deus a respeito, age nesciamente, quando não age por dolo. Quem faz projetos que Deus não assina está dizendo que o projeto divino para a Igreja é errado, fracassado, insuficiente.
O projeto de Deus é cuidar das pessoas. Para que ganhar tantas outras pessoas supostamente para Cristo se não se pastoreiam "as ovelhas da casa de Israel"? Que voluntarismo estranho é esse? A quem nós queremos enganar? Em quantas placas de quantos prédios desejamos ver nossos nomes escritos para a posteridade?

Um comentário:

Henrique disse...

Graça e paz irmão Alex.
Realmente, o que escreveu é muito atual. Mas, se me permite discordar (e eu sei que permite, pois já li algumas coisas que você escreveu sobre "o discordar"), não acho que a situação seja assim tão grave. Quero dizer, penso que não podemos ser tão radicais. Assim, acredito, por exemplo, que não é por que uma determinada estratégia evangelística não está expressa na Bíblia, que ela não é bíblica, se é que me entende. A Bíblia não proclama expressamente o lema das igrejas G12, mas, esse lema, em si, não contraria a Palavra. Afinal, "ganhar, consolidar, capacitar e enviar" é um objetivo que, a meu ver, pode ser extraído mesmo daqueles que você enunciou como sendo o projeto da Igreja, principalmente no que tange à comunhão e evangelização. Eu particularmente não vejo razões para dizer que esta estratégia não provém de Deus.
Enfim, o que quero dizer é que concordo quando você diz que não se pode transformar a igreja em uma empresa (esquecendo-se da parte espiritual), mas vejo com bons olhos essas novas estratégias de algumas igrejas e autores (como Rick Warren). Acho que há muitas revelações que vieram de Deus (e outras talvez não). Só não creio que se deva radicalizar.
Acredito que Deus tem estratégias para a igreja de hoje conquistar seu bairro, sua cidade e, por que não, seu país. E essas estratégias podem, ao meu ver, passar por grandes cruzadas e eventos, desde que inspirados e dirigidos pelo Espiírito Santo.
Bem, essa é minha humilde opinião. Talvez tenha interpretado o que você escreveu de forma totalmente errada, isso acontece muito, aí peço desculpas. Mas, mesmo que tenha ocorrido o erro, espero colaborar com uma discussão sadia neste Blog.
Abraço!

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.