quarta-feira, 26 de março de 2008

Firmes em Cristo

Somos fracos, mas Jesus Cristo é forte. Nossa debilidade, quando se faz acompanhada de Cristo, apenas contribui para que O glorifiquemos. Assim, podemos dizer com o apóstolo Paulo: "Quando sou fraco, então é que sou forte" (II Co 12.10).
Mas, qual o contexto dessa intrigante e afirmação?
Paulo tinha um "espinho na carne" (II Co 12.7), algo que o chateava muito. Não nos interessa saber em que consistia esse problema. O fato é que, depois de pedir a Deus que o livrasse daquele "mensageiro de Satanás" (idem), que estava ali para o "esbofetear" (ibidem), o apóstolo ouviu do SENHOR a seguinte frase: "A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza" (II Co 12.9).
Sim, a graça é suficiente. Não importa a fraqueza do homem - a graça é maravilhosa. Aliás, quem se acha forte não será alcançado por ela, porque a graça é para os fracos. A graça é só para os fracos.
Ao ouvir as boas palavras de Deus, Paulo passou a se gloriar nas suas próprias fraquezas, a fim de que recebesse o poder de Cristo (II Co 12.9). De fato, a manifestação providencial dos Céus somente ocorrerá quando o indivíduo se aperceber de que sozinho nada poderá fazer. Foi Jesus quem disse isso: "Sem mim, nada podeis fazer" (Jo 15.5).
Prosseguindo em seu discurso, Paulo afirma que sente prazer "nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias", tudo isso "por amor a Cristo", e termina com a frase que mencionei antes: "...quando sou fraco, então é que sou forte" (II Co 12.10).
Dessa forma, é preciso dar alguns passos: a) ter consciência das limitações humanas; b) ter consciência das limitações pessoais; c) entender que a graça divina basta a si mesma; d) alegrar-se com a certeza de que o poder de Deus habita o coração contrito.
Não andemos na toada do mundo evangélico-triunfalista, que proclama uma força estranha a Cristo, uma força de quem abraça uma fé individualista e extrabíblica. Não andemos conforme os que se acham mais espirituais só porque exercem certos dons espirituais ou foram nomeados para determinados cargos eclesiásticos. Não tomemos como referência os que imitam os fortes do mundo. Andemos, isto sim, como fracas ovelhas que, conduzidas pelo Sumo Pastor, acham águas de refrigério e pastos verdejantes, aqueles mesmos do Sl 23.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.