domingo, 23 de março de 2008

O preconceito contra os evangélicos na TV

A Igreja Universal do Reino de Deus tem investido tenazmente contra a Rede Globo (e outros meios de comunicação). Dessa vez, munidos de uma emissora de grande porte (Rede Record), os bispos da Universal têm tentado mostrar que a Globo é preconceituosa quanto aos evangélicos.
Gostaria de fazer uma breve e singela análise do problema, nos seguintes tópicos:
  • É fato que as novelas da Globo geralmente apresentam uma imagem parcial e generalizada dos evangélicos ou seus líderes, como se fossem fanáticos, tacanhos, hipócritas ou ladrões.
  • Vou citar alguns exemplos: a) na novela América, uma personagem recente de Juliana Paes apresentava-se como evangélica, mas mantinha uma vida promíscua; b) o pastor estelionatário vivido por Edson Celulari na minissérie Decadência surgiu bem na época em que Edir Macedo ganhava notoriedade - sem falar na terrível cena da relação sexual dentro do salão da "igreja", focalizando-se a Bíblia etc.; c) agora em Duas Caras, uma mulher com jeito de débil mental, roupa parecida com as usadas por certos segmentos evangélicos, e uma Bíblia nas mãos, liderou uma agressão contra umas pessoas que mantinham um relacionamento amoroso considerado ilícito; d) em Tieta, a personagem de Lília Cabral aderiu a um grupo supostamente evangélico, e ficava falando "salve, aleluia, salve", com um comportamento estranho. Esses são alguns dos muitos casos que poderíamos pesquisar e mencionar.
  • Em contrapartida, espíritas e homossexuais aparecem como bons moços, pessoas bem-resolvidas, que dão conselhos aos outros e conduzem relacionamentos estáveis - enquanto os casais heterossexuais vivem se separando, as duplas de gays vivem sem crises.
  • É certo que existem evangélicos fanáticos, tacanhos, hipócritas e até mesmo ladrões, pessoas que se dizem seguidoras de Cristo, mas que não o são. No entanto, essa não é a regra dentre milhões de pessoas que professam a fé cristã e freqüentam igrejas evangélicas.
  • Pelo contrário, a Globo trabalha com generalizações e estimula, sim, o preconceito, pois usa estereótipos que não condizem com a essência do estilo de vida evangélico.
  • A maioria dos personagens evangélicos em programas da Globo são depreciados, e geralmente se mostram, deturpados, os costumes de alguns grupos, principalmente dos pentecostais, desprezando-se outros setores.
  • A idéia que o público tem ao assistir esse repertório global é a de que os evangélicos são aquilo que está sendo mostrado. Afinal, não é a própria Globo que se orgulha de influir na sociedade ao fazer campanhas em favor de deficientes visuais, excepcionais, idosos e portadores de leucemia? Não é verdadeira a frase de que "novela é coisa séria"? Não seria, pois, uma contradição admitir que novela é importante para a conduta do espectador, e ao mesmo tempo dizer que não é bem assim?
  • Por outro lado, há que se fazer uma ponderação: a) nós evangélicos não tínhamos nada que ficar assistindo novelas e minisséries da Globo, porque são produtos de baixa qualidade moral. Deveríamos fazer um jejum constante desse tipo de programa. O que ocorre é bem esquisito, já que a programação global é muito assistida por milhões de evangélicos, mas a Globo continua demonstrando cabalmente que não os quer como espectadores, pois fala deles como terceiros que merecem ser ridicularizados, como se nem fossem uma parcela importante da população. Com efeito, e graças a Deus, as novelas ainda não são feitas para nós! b) a Igreja Universal sabe ser evangélica quando lhe convém, usando reportagens para praticamente conclamar os evangélicos a uma "guerra santa" contra a Rede Globo, quando ela mesma não se acha tão evangélica assim. Explicando melhor: nos programas de rádio e TV, os bispos e pastores da Universal se referem aos espectadores dessa forma: "Você que é católico, evangélico, espírita ou livre-pensador, venha estar conosco...". Ora, se isso não for uma auto-exclusão do segmento evangélico, o que é então?
  • Penso que não devemos cair no erro de defender a Universal em tudo. Não precisamos ser capitaneados pelo bispo Macedo, se nem eles mesmos se consideram - ou se comportam - como evangélicos, se a sua prática e ensino se divorciam tanto do que as igrejas históricas e pentecostais fazem há décadas ou séculos. Definitivamente, não precisamos dessa liderança, e não podemos nos submeter ao jugo dos poderosos "evangélicos" só para fugirmos do jugo global, ao qual nos sujeitamos por livre vontade.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.