sexta-feira, 30 de maio de 2008

Alguns líderes que não seriam credenciados para a Igreja brasileira atual

Noé não faria o tipo dos pregadores de crescimento de igreja: passou um século pregando e só ganhou sua própria família - pelo menos ninguém pode dizer que ele não ganhou os seus. O fato é que Noé falou durante muito tempo e o povo não deu ouvidos. Certamente ele não era muito lembrado porque pregava exclusivamente a justiça. Se pregasse falsas promessas, atrairia gente à vontade.
Jeremias pregou e ninguém quis ouvir. Seu secretário pensou em largar tudo. O rei mandou queimar seu livro. Jeremias chegou a ser afrontado por um falso profeta, foi preso e deportado para o Egito. Foi acusado de traidor da pátria por que tanto chorou. Certa vez, se atolou na lama, no fundo de um buraco, e um etíope o salvou. Sua pregação era dura demais. Ele mesmo, quando chamado, quis renunciar, dizendo ser criança, e Deus lhe fortaleceu o caráter - mas ele nunca deixou de sofrer. Eis um pregador que poucos gostariam de imitar.
Estevão foi tão sincero que acabou sendo apedrejado em público, por líderes religiosos chamados "Libertos". Ele pregou um sermão repassando a história de Israel, num apanhado até chegar àqueles dias, mas sua eloqüência não lhe serviu de defesa. Por mais claro que fosse seu discurso, e por mais brilhoso que estivesse seu rosto, os maus queriam matá-lo a qualquer custo. Essa não foi uma morte que os triunfalistas esperam para um crente.
Paulo não seria aceito como pastor nem missionário nas igrejas triunfalistas: ele pensava com a cabeça, falava com todas as letras, aprofundava conceitos, debatia sem medo. Seus escritos eram mal interpretados, mas assim mesmo ele escrevia suas Cartas. Passou um bom tempo precisando defender seu apostolado, suas credenciais, e sempre foi alvo de forte oposição. Paulo nunca teve sossego: sentiu fome, apanhou, foi difamado, teve que fugir. A presença era fraca, embora as cartas fossem fortes. Talvez o aceitassem hoje como professor de Escola Dominical, mas com muitas e sérias restrições. Talvez o tolerassem pela erudição, mas sem lhe reservar o púlpito jamais.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.