quarta-feira, 7 de maio de 2008

Escatologia não deve ser milimetricamente ordenada

Quando se trata de escatologia, sigo um princípio: não devemos estabelecer agendas milimetricamente ordenadas, como se os textos bíblicos estivessem dispondo cronologias de maneira precisa.
Um dos erros fatais dos fariseus da época de Jesus foi manter uma escatologia tão bem costurada que não houve espaço para entendimentos diferentes. Quando viram que Jesus de Nazaré não se encaixava no modelo do messias político, os líderes religiosos o rejeitarma, prenderam e entregaram aos romanos. Resultado: Jesus é mesmo o Cristo, e a escatologia deles se mostrou totalmente errada.
Em vez de determinar datas e períodos, Jesus falou de eventos que serviriam de sinais, tanto no meio ambiente como nas relações familiares, sociais e internacionais. Assim também agiu o apóstolo Paulo, não se afastando disso o próprio apóstolo Pedro.
É um equívoco interpretar o Apocalipse sem apoio em outras passagens bíblicas, como Mt 24, Mc 13, I Co 15, II Ts 2.7-12 e II Pe 3.9-13. Enquanto Jesus, Paulo e Pedro escreveram de modo denotativo, João empregou muitas e muitas metáforas, num estilo literário fortemente marcado por figuras conhecidas da Antigüidade e numa teatralização que não deve ser desprezada pelo leitor. O estilo direto de João no Evangelho e nas Cartas que escreveu não esteve presente no Apocalipse. Tudo isso precisa ser observado, para que não venhamos a criar alegorias por conta própria. Com as metáforas do próprio João, já existem figuras de linguagem à vontade no Livro, não devemos enxergá-las onde não estão presentes, nem interpretá-las ao nosso bel-talante.
De toda maneira, discordo da adoção de correntes escatológicas pelas denominações, e de sua inclusão no "credo". Cada cristão deve ter a sua própria idéia dos eventos escatológicos, sem a necessidade de se conformar a uma cartilha denominacional que pode estar equivocada.
A única certeza absoluta que tenho sobre o futuro da Igreja e do mundo é que Jesus Cristo voltará para buscar o Seu povo e restaurar todas as coisas. Se vai ser antes, durante ou depois da Grande Tribulação, ou se vai ser antes, durante ou depois do Milênio, aí já são outros quinhentos. A volta de Jesus é a chave de tudo.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.