quinta-feira, 5 de junho de 2008

"E procuras tu grandezas"?

Em Jr 45.1-5, temos um interessante registro em meio à profecia de Jeremias. Durante seu difícil ministério de denúncia dos pecados de Judá, especialmente de seus líderes, o profeta tinha consigo um secretário, chamado Baruque. Este, embora não tivesse o chamado do profeta, acabava enfrentando situações adversas, já que acompanhava Jeremias no seu ofício, escrevendo as palavras deste num livro.
O tempo é de crise moral, espiritual, social e política. Estamos no Século VI a.C., no quarto ano de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá (v.1); se o capítulo 45 obedece à ordem cronológica dos anteriores, Jeremias e Baruque estão no Egito, nação supostamente aliada a Judá, e destino daqueles que querem escapar de Nabucodonosor. Jeremias e seu secretário estão lá a pulso.
Diante da oposição e perseguição de seus próprios líderes políticos e compatriotas, Jeremias aguenta firme, pois Deus o fortalecera (Jr 1.15-19). Já Baruque, no meio desse fogo cruzado, tem seus sentimentos conturbados.
De fato, Baruque disse a si mesmo: "Ai de mim agora! Porque me acrescentou o SENHOR tristeza ao meu sofrimento; estou cansado do meu gemer e não acho descanso" (v.3). Essa não era uma afirmação errada em si mesma, pois as circunstâncias eram terríveis. Baruque não achava descanso, estava sofrendo, e reconhecia que tudo o que ocorre ao homem provém do SENHOR, que em Sua soberania controla todas as coisas. Sua teologia, a priore, estava correta, mas havia alguma coisa subjacente a isso, algum sentimento que Deus não aprovou.
Tanto isso é verdade que Jeremias, dirigido pelo Espírito Santo, precisou dizer a Baruque o seguinte: "Eis que estou demolindo o que edifiquei e arrancando o que plantei, e isto em toda a terra. E procuras tu grandezas? Não as procures; porque eis que trarei mal sobre toda a carne, diz o SENHOR; a ti, porém, eu te darei a tua vida como despojo, em todo lugar para onde fores" (vv.4,5).
Três lições, pelo menos, podem ser extraídas daqui: 1) no contexto do nosso sofrimento pela causa do SENHOR, Ele nos relembra o que está operando em nossos dias, como está agindo, o que pretende fazer; 2) ainda que nossos pensamentos e queixas sejam legítimos, sempre há o perigo de procurarmos grandezas, ou seja, procurarmos conforto, bem-estar, tranqüilidade para nós mesmos. É assim que eu entendo "grandezas", pois o sossego que Baruque procurava não estava nos planos divinos! 3) o importante é termos a salvação de nossa alma, a preservação de nossa vida com Deus.
Isso não é fácil de admitir, mas é certo. Se pudermos manter ao menos a nossa vida - e daqueles que estão conosco -, seremos vencedores. A vitória que o mundo oferece tem que ver com grandezas. Não busquemos grandezas, ainda que com isso pareça que estamos perdendo.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.