domingo, 22 de junho de 2008

Não se pode culpar o Exército pelo caso do Morro da Providência

Depois que três jovens do Morro da Providência, no Rio, foram entregues por militares a traficantes do Morro da Mineira - o que culminou com a morte dos três rapazes, com 46 tiros -, alguns têm dito que isso faz lembrar o Regime Militar, que a culpa é do Exército, que o episódio tem que ver com a inabilidade das Forças Armadas para o policiamento. A jornalista Eliane Cantanhêde, da Folha de São Paulo, chegou a escrever, e dizer num videocast, que a culpa é também da AMAN (Academia Militar das Agulhas Negras) por ter formado o tenente responsável pelo crime...
Não posso concordar com isso. Ao ler o artigo da colunista no "site" www.folha.com.br, enviei-lhe um e-mail, que ela respondeu gentilmente. Agora, acabo de assistir ao seu videocast, que vai no mesmo sentido, e resolvi deixar registrado aqui o meu pensamento.
Vamos aos fatos: o Exército foi ao Morro da Providência para trabalhar no tal projeto "Cimento Social", idéia do senador e candidato a prefeito do Rio Marcelo Crivella, aliado do presidente Lula. Crivella pediu e Lula ordenou a ida do Exército ao morro. Os militares foram maquiar casinhas pobres e fazer o policiamento em torno das obras. Nenhuma dessas tarefas constitui sua missão institucional, mas ele atendeu a ordens superiores porque a hierarquia e a disciplina são as suas bases.
O curioso é que o Ministro da Justiça, Tarso Genro, vem a público dizer que não concorda com o emprego das Forças Armadas na segurança pública. Sim, eu concordo com ele, pois, embora as Forças Armadas devam assegurar a lei e a ordem, isso não pode ser feito sem o cumprimento de certos requisitos, como o pedido do Governador dizendo que não tem mais o controle da criminalidade. Mas eu pergunto: não foi Lula, chefe do Tarso Genro, quem deu a ordem para os militares subirem o morro?
Eu creio que discutir o papel das Forças Armadas como polícia é desviar o foco do problema, eis que o Exército estava fazendo um trabalho de cunho social, motivado por fins políticos, sendo que o policiamento veio secundando esse trabalho.
Vale dizer ainda que o que o tenente fez, com o auxílio de três sargentos e sete soldados, foi por conta própria, e não pode nos remeter aos anos de Ditadura Militar. Se ele é um oficial, formado na AMAN, será que podemos culpar a AMAN pelo ocorrido? Entendo que não. Ele tem responsabilidade individual porque não trabalhou em nome da instituição. Aquele tenente fez algo totalmente diverso do que o Exército deve fazer. Não consigo compreender como alguém faz relação entre esse crime terrível e a atuação das Forças Armadas.
Responsabilizar o Exército pelo que esses militares fizeram é como responsabilizar os pais pelo que seus filhos adultos fazem. É como responsabilizar a escola pelo que o ex-aluno, agora adulto, faz. Recordo do que escreveu o profeta: "Que tendes vós, vós que, acerca da terra de Israel, proferis este provérbio, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram?" (Ez 18.2). Ora, se os dentes dos filhos estão embotados, eles é que comeram uvas verdes, e não seus pais.
A lembrança recalcitrante do Regime Militar faz com que jornalistas relacionem atos covardes de certos militares a horrores daqueles período. Entretanto, como eu escrevi à jornalista Eliane Cantanhêde, civis também participaram daquele Regime. O problema não são os militares, mas a sociedade eticamente deplorável em que vivemos.
Obs.: o artigo da jornalista Eliane Cantanhêde está em

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.