quinta-feira, 5 de junho de 2008

Idéias mal-concebidas

Algumas idéias mal-concebidas freqüentam as mentes de muitos cristãos evangélicos em nosso imenso Brasil. Seguem algumas delas, com um simples e respeitoso comentário nosso:
"O púlpito é o lugar mais santo da igreja". Primeiro, púlpito é apenas a tribuna, o suporte em que se apóia a Bíblia; segundo, o lugar onde fica o púlpito (plataforma ou não) é simplesmente um espaço no salão ou santuário; terceiro, esse espaço não tem nada que ver com Altar, Lugar Santo ou Santo dos Santos, pois toda essa simbologia pertence à Antiga Aliança, com seu sistema de sacrifícios, em que o Templo de Salomão sucedeu o Tabernáculo de Moisés. O templo hoje é o corpo de cada cristão, onde habita o Espírito Santo. Os lugares de culto podem ser chamados de santuário, apropriadamente, embora "templo" não esteja de todo errado.
"O conhecimento afasta o homem de Deus". Essa frase não é correta porque estabelecida em termos absolutos. O conhecimento afasta o homem de Deus quando este se deixa afastar, assim como a riqueza, a vaidade, os prazeres podem afastar o homem de Deus. O problema do conhecimento é não saber usá-lo, além de que nem sempre o que se apresenta como ciência é, de fato, ciência. É certo que muitos há que se induzem por filosofias inúteis, teologias equivocadas, soberba intelectual, culto ao conhecimento. Mas nada disso comprova a afirmação de que o conhecimento necessariamente afasta o homem de Deus. O que afasta o homem de Deus é o pecado.
"Precisamos voltar ao modelo da Igreja Primitiva". Não. Nós não devemos nem podemos voltar ao modelo da Igreja Primitiva. Primeiro, não havia um só tipo de igreja primitiva, pois veremos que as igrejas em Jerusalém, Antioquia da Síria, Corinto e Éfeso, por exemplo, eram diferentes; segundo, não quero os problemas morais, o partidarismo nem a vaidade espiritual de Corinto; não quero o legalismo nem a insensatez dos gálatas; não quero a religião de mistério que se infiltrou entre os Colossenses; terceiro, precisamos cumprir os desígnios de Deus para os nossos dias, conforme os princípios de Sua Palavra, porque não somos crentes do Primeiro Século, mas do Século XXI.
"O pregador, quando fala no púlpito, é a boca de Deus". O pregador não é a boca de Deus porque ele não é profeta, não está falando inspirado pelo Espírito Santo, não traz nova revelação, o que ele diz não é novo, não é para aumentar o Cânon Bíblico. O pregador fala - ou deve falar - dirigido pelo Espírito de Deus quanto ao conteúdo a ser ministrado e talvez a forma, porém conforme o que está escrito, porque para isso foi chamado ou recebeu a oportunidade. Se ele for usado em profecia, palavra do conhecimento ou palavra da sabedoria, ainda assim não é a boca de Deus, mas um dom do Espírito para edificação, consolação e exortação da igreja que ali se reúne, sem abrangência geral e sem destinação literária. Nos dons espirituais de verbalização, o crente é veículo ou instrumento para a transmissão de uma mensagem divina. Agora, dizer que ele é a boca de Deus é um pouco demais. Não temos oráculos. Quem usou duas mulheres como supostos oráculos do Espírito Santo foi Montano, no Segundo Século da Era Cristã, tido por herege pela Igreja. Isso precisa ficar bem compreendido.
"Crente que não dá 'glória a Deus' na igreja é frio". Esse é um conceito prático dos pentecostais, mais precisamente em minha denominação. Mas eu discordo. Dar glória a Deus pode ser em silêncio. Pode ser com o testemunho diário. Pode ser com o estilo de vida. Não é preciso gritar "glória a Deus" e "aleluia" para ser espiritual ou fervoroso. Também não se deve recriminar quem gosta de fazê-lo. Há pessoas mais caladas, mais tímidas, que não abrem a boca normalmente. Por que violentar seu temperamento ou cultura em nome de um trejeito denominacional? Igualmente, esses mesmos crentes silenciosos às vezes estão prestando bastante atenção à pregação. Isso precisa ser respeitado. Lembremos que o fato de a pessoa estar calada não significa que seu cérebro não esteja funcionando.
Essas são algumas idéias mal-concebidas, na minha opinião. Quem sabe o leitor acredite que mal-concebidas são as minhas idéias, e não aquelas que eu critico...Tudo bem. Mas o leitor não poderá dizer que digo as coisas sem nenhum fundamento. Pelo menos eu procuro sistematizar, colocar as coisas em ordem dentro da minha cabeça. Essa é a nossa maneira de contribuir.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.