quinta-feira, 26 de junho de 2008

Malaquias - um Livro que precisa ser mais visitado e conhecido

É triste verificar que o Livro de Malaquias só é lembrado quando queremos falar de dízimos e ofertas ou da predição acerca de João Batista. Trata-se de um Livro riquíssimo, que vai além desses importantes temas, e, como Palavra inspirada por Deus, tem uma mensagem atual, espiritual e profunda. É um convite à reflexão sobre religiosidade e moralidade.
Malaquias gira em torno de seis grandes questões, quais sejam: a prova do amor de Deus (1.1); o culto negligente a Deus (1.6); a importância da fidelidade no casamento (2.14); a justiça de Deus (2.17); a mordomia (3.8) e a religiosidade utilitarista (3.13,14).
De um modo geral, o profeta dedica-se ao fato de que os judeus de seu tempo buscavam vantagens em troca da prática religiosa, mas eram infiéis e não adoravam ao SENHOR com sinceridade e zelo. Sua espiritualidade era formalista, vazia.
Primeiro, o povo suspeita de que Deus não o ama, e Deus responde que Seu amor se comprova pela Eleição, mediante a Graça. Em vez de Esaú, o primogênito, Deus escolheu a Jacó. O SENHOR amou aquele povo desprezível (1.1-5).
Segundo, os sacerdotes se mostram negligentes para com o serviço sagrado, oferecendo sobre o altar animais cegos, coxos, enfermos e dilacerados. Ao entregar animais desprezíveis, sinalizam a noção de que as coisas do SENHOR são desprezíveis em si. O profeta atenta para a forma, não para o formalismo. A forma do culto reflete a "teologia" de quem presta o culto. Quem despreza as coisas de Deus oferece coisas desprezíveis a Deus (1.6-14). A repreensão contra os sacerdotes é dura porque, além do culto negligente, eles deixaram de ensinar o povo conforme a Lei de Deus. Achando que o culto a Deus é desprezível, tornaram-se, eles mesmos, desprezíveis (2.1-9).
Terceiro, os homens estavam assumindo compromissos com outras mulheres que não suas esposas, e faziam isso com mulheres de outras nações, adoradoras de deuses esranhos. Havia infidelidade a Deus e ao pacto nupcial, associado, porém, a ofertas religiosas e aparência de piedade. Deus odeia o divórcio, diz o texto (2.10-16).
Quarto, o povo achava que Deus não era justo. Em resposta, o SENHOR anuncia o futuro juízo contra os feiticeiros, os adúlteros, os que juram falsamente, os que defraudam o salário do trabalhador, os que oprimem o órfão e a viúva, os que torcem o direito do estrangeiro, e não temem o Seu nome. A justiça de Deus seria revelada pela aparição do Anjo da Aliança (2.17-3.5), que, sabemos, é Jesus Cristo.
Quinto, o povo roubava a Deus, não contribuindo para a manutenção das coisas sagradas. Não havia respeito à mordomia, que é a administração dos bens concedidos por Deus. Eles queriam usar os bens para seu proveito próprio, sem se preocupar com as necessidades da Casa do SENHOR. Vale dizer que a promessa divina de bênção sem medida, pelo abrir das janelas do céu, tem que ver com chuvas abundantes, necessárias para a obtenção de boas colheitas. Não se pode esquecer que se trata de uma economia agropastoril, e que Israel recebera promessas de cunho material, que agora Deus repete e confirma no seu trato com o remanescente Judá (3.6-12).
Sexto, o povo era utilitarista em sua religião, acreditava que tinha sido inútil servir a Deus, chegando mesmo a perguntar "Que nos aproveitou termos cuidado em guardar os seus preceitos e em andar de luto [em atitude de piedade] diante do SENHOR dos Exércitos"? Eles achavam que felizes e prósperos eram os ímpios e soberbos, porque, segundo eles, tentavam ao SENHOR e escapavam (3.13-15).
Em suma, Deus rechaça o utilitarismo religioso, que é necessariamente desprovido de espiritualidade autêntica e de moralidade sadia.
Fico assustado com o fato de muitos usarem Ml 3.10ss para justificar o método da barganha com Deus, quando o texto apela justamente para o altruísmo, a mordomia, a fidelidade, a confiança na providência do SENHOR! Será disfunção cognitiva ou má-fé?
De certo modo, Malaquias aproxima-se de nós quanto ao contexto porque o tempo era de espera...
Com o templo reconstruído, com os avivamentos sendo coisa do passado, com a frustração de falsas expectativas em torno de Zorobabel como o prometido Filho de Davi, com a idéia de que a glória predita por Ageu não havia se cumprido...o povo tinha "apenas" o cotidiano religioso, as ofertas e sacrifícios, o ensino por meio dos sacerdotes, a vida normal, enfim. Eles precisavam de fé, amor e esperança, algo que demonstraram não ter.
Deveríamos, já pelo contexto vital do Livro (a chamada "sitzenlaben"), aprender que Malaquias tem muito a dizer a nós, cristãos brasileiros do início do Séc. XXI.
Talvez os pentecostais históricos - e esse grupo não é muito diversificado - deveríamos repensar para onde vai nosso Movimento, que, recordando avivamentos pretéritos, não poderia, por outro lado, descuidar do combate ao utilitarismo religioso que insiste em dominar nossos púlpitos, congressos, festas. Mas essa preocupação deve ser de todas as igrejas, uma vez que o triunfalismo é realidade assustadora ao nosso redor.
Por fim, temo que o Antigo Testamento, onde Malaquias se encontra, seja utilizado tão mal pelos novos segmentos judaizantes que surgem no Brasil. O Antigo Testamento é riquíssimo, e, em seu exame, só teremos a perder se não o enxergarmos com a sinceridade e zelo do profetas Malaquias.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.