quarta-feira, 4 de junho de 2008

A preocupação do pastor

"Procura conhecer o estado das tuas ovelhas e cuida dos teus rebanhos" (Pv 27.23).
Embora o contexto em Pv 27.23-27 se refira à necessidade de previdência quanto aos bens materiais, não posso negar que o versículo 23 me leva a pensar no dever do pastor de igreja.
De fato, assim como o pastor de animais precisa atentar para o que lhe pertence, a fim de sempre ter leite, vestes e, enfim, a provisão necessária, deve o pastor de almas atentar para a situação de suas ovelhas, porque as coisas não fluem naturalmente - é preciso cuidar.
O verdadeiro pastor - o pastor realmente chamado por Deus - preocupa-se com suas ovelhas. Ele fica triste com as que estão tristes; vai atrás das que passam a faltar aos cultos, das que estão ou parecem estar contrariadas. O pastor de verdade não briga com a ovelha, ainda que tenha razão; antes, a acolhe, ouve e convida a ficar por perto. E quando a ovelha lhe apresenta um problema, o pastor não diz: "Daqui a duas semanas a gente conversa", pois esse pode ser um período fatal.
Por isso, as igrejas não podem ser grandes demais, ou, se forem grandes, devem ter um número suficiente de pastores à disposição do rebanho.
As pessoas precisam ser visitadas, mesmo aquelas que estão bem. Um pastor que só visita em tempos de crise atrai consigo a noção de censura e repressão. Já o pastor que visita normalmente é recebido com maior facilidade.
Um bom pastor não é reconhecido pelos títulos que possui, pelo curso de teologia, tampouco pela boa oratória, muito menos pela capacidade de administração. Ele é reconhecido pelo amor que nutre pelas ovelhas, o que se demonstra na preocupação pelo estado em que elas se encontram.
Aliás, pastor não é cargo, mas função do presbítero que lidera a igreja, e dos presbíteros que o auxiliam no cuidado das ovelhas. Se alguém recebe o "título de pastor" e não pastoreia, lamento admitir que ele não é pastor.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.