domingo, 15 de junho de 2008

A falta que faz uma boa Oposição

Não gosto de discutir política, não sei se para evitar discussões apaixonadas ou por ausência de conhecimento nessa área. No entanto, de vez em quando escrevo algumas linhas neste blog acerca de assuntos políticos. Agora, penso sobre a falta que faz uma boa Oposição.
Escrevo Oposição com letra maiúscula por reconhecer nela uma instituição democrática, e não simplesmente uma contradição ao Governo. A democracia precisa de Governo e Oposição. A república também. Não existe Governo democrático sem divergência de opiniões, idéias e programas políticos.
O Brasil vive um momento que me preocupa, pois no âmbito federal não há Oposição genuína. Os principais partidos de Oposição não têm um programa consistente, não fazem uma fiscalização corajosa do Executivo, parecem ter medo de seu passado. O PSDB namora o PT, e isso o compromete. O DEM é veemente em questões tributárias e nas CPI´s, mas não oferece alternativa substancial. Parece que foi para a Oposição compulsoriamente, sem ter clareza quanto ao seu papel.
Fomos iludidos durante anos, crendo que o PT fazia Oposição de verdade, com sua bandeira ética, sua luta contra a corrupção e por transparência no trato da coisa pública. Contudo, o que fez o PT ao abocanhar o poder? Fez mais do mesmo, e talvez pior, com maior avidez e cinismo.
Nos Estados e Municípios em que o PT é Oposição, ainda há aquela busca por CPI´s, aquela sede de denunciar casos de improbidade, mas o mesmo não se vê onde ele é Governo. Do outro lado, os democratas e tucanos agem semelhantemente, haja vista o episódio atual de apoiar a Governadora do Rio Grande do Sul e repreender o Vice-Governador sem um aprofundamento da investigação, sem o veredicto da Justiça, por certo ainda longínquo.
O presidente Lula gaba-se de sua grande popularidade, e nisso se estriba para falar impropriedades contra adversários e contra as próprias leis e os outros Poderes. Gaba-se do crescimento econômico, do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), das medidas que estaria tomando para melhorar a educação, da inclusão de um número maior de pobres em programas sociais, da política de cotas para negros em universidades, do etanol. Mas se esquece de que sua política na saúde é muito deficiente, de que seu Governo é deveras corrupto, de que seus colegas tomaram a máquina pública, de que ele mesmo usa o PAC com interesse eleitoreiro, de que a política de reservas indígenas contínuas é um desastre jurídico-político, de que ele contou até agora com a boa fase da economia mundial, de que ele não tem um plano de desenvolvimento sustentável para o País, o que necessariamente passa pela educação e pela ciência e tecnologia, tão desprestigiados pelo Lula.
O PT mostra-se estatizante, autoritário e intervencionista. O Estado-petista é um big brother - está em toda parte. Eles querem nos obrigar a admitir a homossexualidade como coisa normal, eles querem influenciar ideologicamente os nossos filhos com filosofia e sociologia nos currículos escolares, eles querem que adotemos a teoria marxista da luta de classes, eles querem que achemos que o mundo se divide em ricos maus e pobres bonzinhos, com trabalhadores rurais e índios bonzinhos a seu lado.
De toda maneira, não vejo ainda elementos propícios para uma ditadura, pois, apesar do crescimento econômico, da aprovação popular ao Presidente e da nulidade da Oposição, o Brasil é um País muito grande e visado pela comunidade internacional. Não seria fácil dar um golpe de Estado aqui, pelo menos por enquanto. Creio que os muitos interesses escusos vão se acomodando debaixo das barbas do Presidente Lula.
Entretanto, essa situação me preocupa, sim. É triste não ver uma postura diferente em termos políticos. O que ouvimos são vozes isoladas, como era a voz do ilustre Senador Jéfferson Peres, morto em 23 de maio deste ano. Que cenário ruim: no Governo está o autoritário PT, que durante anos alimentou a minha esperança, mas depois logo a frustrou; de outro, temos os democratas que num passado recente apoiavam fielmente a ditadura militar, e, consigo, os contraditórios tucanos, que nem precisam de inimigos, pois devoram a si mesmos.
Como cidadão, não gosto de ver essa ausência de Oposição em nosso País. Sei que existem no Brasil muitas idéias, iniciativas, pesquisas, mas parece que os bons não se interessam por política, a qual fica reservada, em sua maior parte, aos maus.
Há esperança? Sim, ela tem que existir. Eu tenho esperança. Não quero ser apocalíptico, não quero interpretar a Bíblia aguardando uma grande hecatombe que começará matando os pobres e doentes. Não quero acreditar que o mal sempre vence na seara política. Não sei por que, mas sempre acho que as coisas podem mudar se as pessoas deixarem de ser tão corruptas em seu cotidiano, se as pessoas deixarem de esperar benesses do Governo, se as pessoas forem mais leais nas pequenas coisas, se as pessoas tiverem os valores do Sermão da Montanha.

Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.