quarta-feira, 31 de março de 2010

Junto à fonte

A Bíblia tem lindas metáforas: uma delas é a da fonte. Diz o belo texto de Gn 49.22:
"José é um ramo frutífero, ramo frutífero junto à fonte; seus galhos se estendem sobre o muro".
Estamos diante da bênção profética de Jacó sobre seus filhos, dos quais descenderiam as Doze Tribos de Israel. José é o filho predileto, o filho de Raquel, aquele que por um tempo fora roubado a seu pai, dado como morto, vendido como escravo, acusado injustamente, aprisionado e depois elevado a governador do Egito.
A metáfora da árvore junto às águas encontra-se também no Salmo 1.3 e Jr 17.17,18. O homem próspero aos olhos de Deus é como a árvore frutífera que "estende as suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor", suas folhas não murcham, e nunca deixa de dar fruto, mesmo na estação seca. Para o salmista, essa prosperidade resulta da meditação diária na Palavra de Deus. Para o profeta, tudo está em confiar no SENHOR, esperar somente n'Ele.
José era um homem verdadeiramente próspero. Sua história nos diz que "o SENHOR era com ele". Mas José não era rico. Ele era próspero antes de ser honrado pelo rei do Egito. Sua prosperidade vinha de estar junto à fonte.
Penso na imagem da fonte das águas e isso me deixa com uma ponta de esperança nesses tempos de sequidão. Jesus disse que aquele que recebe da água que Ele tem para dar tem dentro de si uma fonte a jorrar para a vida eterna (Jo 4.14); e que quem n'Ele crer, como diz a Escritura, "rios de água viva" fluirão do seu interior (Jo 7.38). É João quem explica a metáfora: Jesus estava se referindo ao Espírito Santo, que não havia sido dado por Jesus Cristo não ter sido glorificado (Jo 7.39).
Certa vez, em Alagoinhas/BA, há muitos anos, ouvi um pregador dizer que, embora reconhecesse que a glorificação de Jesus fosse a Sua assunção ao Céu, entendia que era necessário dar glórias a Deus para receber o Espírito Santo, o batismo com fogo. Seu erro é duplo: confundir glorificação de Jesus com glorificação a Jesus, e achar que o recebimento do Espírito Santo conforme Jo 7.38 seria recebimento em poder. Nesse caso, é recebimento para a Salvação!
Eu tenho dentro de mim essa fonte a jorrar para a vida eterna. Jesus me deu o Espírito Santo. Aleluia! Glória a Deus! Jamais falei em línguas estranhas, nem sei se um dia falarei. Acham que não fui ou não sou batizado com o Espírito Santo. Tudo bem. Sei que é revestimento de poder (At 1.8). Mas me recuso a admitir que Jo 7.38,39 se refira ao batismo com fogo. Estamos tratando da fonte aberta a todo o que crê. Nisso não há absolutamente nenhuma distinção: quem tem fé em Cristo como SENHOR e Salvador desfruta das bênçãos inefáveis de ser ramo frutífero junto à fonte, uns mais, outros menos.
Fiquemos junto à fonte. Desse mundo nada temos a aproveitar. Só Jesus nos permite o acesso às águas de refrigério.


Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.