quarta-feira, 24 de março de 2010

Justiça e justiçamento

Um homem chuta o advogado Roberto Podval quando este retorna do almoço para o Tribunal do Júri. Ele também é vaiado. Cartazes pedem justiça e paz ao mesmo tempo em que dizem peremptoriamente que o casal é culpado. A família Nardoni é malvista pela massa, que clama pela condenação. Do lado de fora do prédio, esses "juízes" não querem justiça, mas justiçamento.
Certamente existe aí o fenômeno do bode expiatório: condena-se o casal antes da hora, sem legitimidade para qualquer decisão a respeito, não por um elevado sentimento de justiça, mas por uma projeção dos próprios pecados naqueles dois que se sentam no banco dos réus. A sociedade purga seus pecados, ou acha que o faz, quando vê alguém "pior": um acusado de assassinar a própria filha, jogando-a pela janela, e a madrasta, acusada de provocar asfixia. Será que esse pessoal é tão justo assim? São tão sensíveis quanto a outras questões como têm sido no Caso Isabella Nardoni?
Por que não há comoção em situações outras?
E mais: é errado imaginar que o Dr. Roberto Podval seja um carrasco por ter pedido que a mãe da menina Isabella ficasse à disposição da Justiça. O juiz deferiu o pedido, o que sugere sua legalidade. E não se pode falar em confinamento, pois todas as testemunhas são incomunicáveis. É bom recordar que foi o Promotor quem arrolou a mãe da menina como testemunha, o que fez provavelmente com fundamentos sólidos. Da mesma forma, esse direito assiste à Defesa.
Enquanto milhões de pessoas estão trabalhando no país afora, algumas se aglomeram em frente ao fórum, e algumas se exaltam. Condenam a família, condenam os advogados. Para essas pessoas, parece que o ideal seria voltarmos à Idade Média, com a ausência de defesa, ou à Antiguidade, com as ordálias dos povos "bárbaros" - em que, por exemplo, o acusado era jogado no rio: se sobrevivesse, é porque era inocente; se morresse, era culpado, e Deus o castigou com a morte.
Justiça é uma virtude. Justiçamento é um pecado. Se a defesa faz seu trabalho com esforço, há os demais componentes do tripé: julgadores e acusação. O sistema deve funcionar bem, e se o advogado for muito ruim o tribunal pode anular o julgamento por inépcia da defesa, já que todos têm direito ao devido processo legal, com ampla defesa e contraditório.
Não vou dizer o que penso sobre a culpabilidade ou inocência do casal Nardoni. Isso não cabe neste espaço, por uma série de razões. Reprovo, porém, o arbítrio e o julgamento precoce. Deixemos que o Tribunal do Júri tome a sua decisão soberana.



Nenhum comentário:

Fale comigo!

Gostaria de estabelecer contato com você. Talvez pensemos a respeito dos mesmos assuntos, e o diálogo é sempre bem-vindo e mais que necessário. Meu e-mail é alexesteves.rocha@gmail.com. Você poderá fazer sugestões de artigos, dar idéias para o formato do blog, tecer alguma crítica ou questionamento. Fique à vontade. Embora o blog seja uma coisa pessoal por natureza, gostaria de usar este espaço para conhecer um pouco de quem está do outro lado. Um abraço.

Para pensar:

Um dos terríveis problemas da Igreja evangélica brasileira é a falta de conhecimento da Bíblia como um sistema coerente de princípios, promessas e relatos que apontam para Cristo como Criador, Sustentador e Salvador. Em vez disso, prega-se um "jesus" diminuído, porque criado à imagem de seus idealizadores, e que faz uso de textos bíblicos isolados, como se fossem amuletos, peças mágicas a serem usadas ao bel-talante do indivíduo.

Arquivo do blog

Bases de Fé

Creio:
Em um só Deus e na Trindade.
Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão.
Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal e sua ascensão aos céus.
Na pecaminosidade do homem, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode salvá-lo.
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus.
No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor.
No batismo bíblico em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo.
Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus, através do poder do Espírito Santo.
No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo.
Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade.
Na Segunda Vinda de Cristo.
Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo.
No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis.
E na vida eterna para os fiéis e morte eterna para os infiéis.